Article

lock Open Access lock Peer-Reviewed

38

Views

TEMAS LIVRES E PÔSTERES

Resumo dos Pôsteres SBCCV

4 de abril • sexta-feira

P 01

Tratamento transapical da disfunção de prótese mitral biológica

Alexandre Siciliano Colafranceschi; Bruno Miranda Marques; Andrey José de Oliveira Monteiro; Clara Weksler; Débora de Paula; Fabíula Schwartz; Marcelo Ramalho Fernandes

INTRODUÇÃO: Alguns pacientes com disfunção de prótese mitral biológica tem elevado risco de mortalidade cirúrgica para re-troca valvar.
OBJETIVO: Relatar a experiência inicial com tratamento transapical da disfunção de prótese mitral biológica em pacientes de elevado risco cirúrgico.
MATERIAL E MÉTODOS: De Janeiro a Agosto de 2013, 5 pacientes (dois homens, 55 anos de média) foram submetidos ao implante trans-apical de prótese mitral balão expansível sob prótese mitral biológica disfuncionante. Todos em classe funcional III ou IV da NYHA relacionado a insuficiência (3) ou estenose (2) da prótese mitral. Euroscore médio de 12,2. Gradiente trans-mitral médio de 10,75mmHg.
RESULTADO: Em todos os pacientes foi possível o adequado posicionamento da prótese. Nos dois pacientes com estenose, houve necessidade de pré-dilatação com balão #28. Todos receberam prótese innovare Braile® # 28. Quatro dos cinco pacientes tiveram alta hospitalar. Houve um óbito em 30 dias relacionado a complicações de bloqueio átrio-ventricular em paciente já deambulando pré-alta hospitalar. No ecocardiograma pré-alta hospitalar (incluindo a paciente que faleceu) o gradiente trans-mitral médio foi de 6,6 mmHg. No seguimento médio de 6 meses, houve um óbito relacionado a acidente vascular encefálico.
CONCLUSÃO: O tratamento transapical da prótese mitral disfuncionante é exequível e seguro. Há redução significativa dos gradientes trans-mitrais. Avaliar a necessidade de anticoagulação no médio prazo poderá minimizar as complicações e otimizar os resultados iniciais.

 


 

P 02

Soluções de Ultra complexidade na Insuficiência cardíaca avançada: Experiência inicial com ventrículo artificial de longo prazo

Alexandre Siciliano Colafranceschi; Bruno Miranda Marques; Marcelo Westerlund Montera; Tereza Cristina Felippe Guimarães; Ligia Neres; José Mauro Vieira Junior; Evandro Tinoco Mesquita

INTRODUÇÃO: Ter um ventrículo artificial implantado como terapia de longo prazo é um tratamento complexo, caro e ainda não realizado de forma rotineira em nosso meio.
OBJETIVO: Relatar experiência inicial com o uso de dispositivo de assistência ventricular esquerda de terceira geração como ponte para transplante e terapia de destino no Brasil.
MATERIAL E MÉTODOS: Para garantir um serviço transparente, de alta qualidade, seguro e de custo gerenciado, organizamos um modelo institucional, estruturado, baseado em unidade de prática integrada, para oferecer soluções de precisão a pacientes com um insuficiência cardíaca avançada. De Julho de 2012 a Junho de 2013 quatro homens e uma mulher foram submetidos ao implante de dispositivo de assistência ventricular esquerda de terceira geração (todos INTERMACS 3).
RESULTADO: Em todos os pacientes foi possível o implante do dispositivo e seu adequado posicionamento ecocardiográfico. Além do paciente número 1, que precisou ser mantido em hemodiálise durante todo o período de sua internação, o paciente número 3 também precisou de hemodiálise por duas sessões. Não houve óbitos em 30 dias. Quatro dos cinco pacientes (80%) tiveram alta hospitalar e estão vivos no seguimento mínimo de 6 meses.
CONCLUSÃO: A organização de uma Unidade de Prática Integrada permitiu o sucesso inicial na incorporação do suporte ventricular esquerdo de longo prazo para a assistência de pacientes ultra-complexos, com insuficiência cardíaca avançada, ampliando as soluções terapêuticas disponíveis em nosso meio.

 


 

P 03

Time multidisciplinar para o Implante de valva aórtica transcateter

Alexandre Siciliano Colafranceschi; Andrey José de Oliveira Monteiro; Bruno Miranda Marques; Clara Weksler; Débora de Paula; Fabíula Schwartz; Juan Carlos Arias Millan; Sérgio Leandro

INTRODUÇÃO: O implante transcateter de prótese aórtica é considerada a opção terapêutica para pacientes selecionados com grave estenose aórtica.
OBJETIVO: Relatar a experiência inicial deste procedimento em serviço quaternário do SUS.
MATERIAL E MÉTODOS: Avaliação prospectiva de quinze pacientes consecutivos, 46,6% homens, de 74,4 +/- 9,4 anos, entre novembro de 2011 e setembro de 2012. Sessenta e sete por cento em classe funcional III ou IV da NYHA. A prevalência de DAC, hipertensão arterial sistêmica, diabetes melitus e insuficiência renal pré-operatória foi de 53%, 13,3%, 27% e 27%, respectivamente. O Euroscore médio foi de 12,3 (+/- 13). Aorta ascendente em porcelana estava presente em 60% dos pacientes. Gradientes trans-aórtico médio e de pico registrados foram de 49,6 mmHg (+/-12mmHg) e 84,4mmHg (+/- 23mmHg).
RESULTADO: Dois pacientes foram submetidos `a intervenção sob anestesia local e sedação sistêmica (15%). Todos os pacientes tiveram acesso cirúrgico (femoral comum em 80%, e trans-aórtico em 20%) e apenas uma prótese implantada. Treze pacientes apresentaram insuficiência aórtica residual de trivial a leve. Cinco pacientes necessitaram de implante de marcapasso definitivo (33%). O tempo médio de internação em terapia intensiva foi de 2 +/- 2 dias. Houve duas complicações vasculares maiores de resolução cirúrgica (um tamponamento cardíaco e uma ruptura de artéria ilíaca esquerda). Um paciente apresentou nefropatia por contraste de tratamento conservador. Não houve óbito hospitalar. Dois pacientes faleceram no seguimento de 1 ano (13%).
CONCLUSÃO: Com um time integrado reproduzem-se os resultados de curto e médio prazos obtidos em grandes centros internacionais.

 


 

P 04

Desenvolvimento de um modelo de afastador autostático Para exposição da valva mitral: estudo experimental

Andre Lupp Mota; Caio Cesar Cardoso; Kleber Hirose; Hyong Chun Kim; Walter J. Gomes

INTRODUÇÃO: Com o desenvolvimento de técnicas minimamente invasivas na cirurgia cardíaca, a visualização da valva mitral ocasionalmente fica prejudicada podendo resultar em qualidade inadequada da correção. Portanto há necessidade de desenvolvimento de novos dispositivos para adequar às mudanças das técnicas minimamente invasivas.
OBJETIVO: O objetivo foi desenvolver afastadores autostáticos maleáveis com introdução intra-atrial que permitam uma boa exposição do aparelho valvar mitral, de fácil utilização e com possibilidade de emprego em tanto em cirurgia minimamente invasiva como convencional.
MATERIAL E MÉTODOS: Utilizaram-se 10 corações isolados de suínos, com abertura seletiva do átrio esquerdo para exposição da valva mitral. Foram confeccionados afastadores flexíveis de polipropileno com memória, de forma retangular, recortados para ajustar-se às dimensões dos corações estudados. A inserção foi facilitada pela configuração anelar do dispositivo, mantido em posição com uso de pinças cirúrgicas. Ao atingir a posição adequada, a pinça é retirada e o retrator maleável é liberado, mantendo as bordas da atriotomia abertas com auto-exposição do aparelho valvar mitral.
RESULTADO: Em todos corações houve satisfatória exposição d a valva mitral e não foram observadas lesões decorrentes da inserção do dispositivo. A adequada visualização do aparelho valvar dependeu de ajuste entre o tamanho do retrator e as dimensões atriais, possibilitando a ampla abertura da cavidade atrial e acesso às estruturas valvares e sub-valvares.
CONCLUSÃO: A utilização de afastadores confeccionados com plástico maleável forneceu exposição adequada de todo o aparelho valvar em modelos de corações isolados de porcos. Pode constituir um complemento importante para obtenção de sucesso em cirurgias reparativas da valva mitral.

 


 

P 05

Podemos evitar a infecção da safenectomia? Estudo comparativo entre safenectomia video assistida e de forma tradicional escalonada

Bruno Miranda Marques; Rodrigo Coelho Segalote; Juan Carlos Aries; Renata P. Esteves; Carlos Eduardo Pereira DAntas ; Alexandre Colafranceschi: ; Jose Oscar Brito ; Andrey Monteiro

INTRODUÇÃO: A infecção no sitio da safenectomia é bastante comum no pós-operatório de Revascularização do Miocárdio, acarretando maior tempo de internação, custo e morbidade ao doente. Novos métodos minimamente invasivos de obtenção da veia safena tem demonstrado índices muito menores de infecção, porem eles são pouco utilizados no Brasil.
OBJETIVO: O presente estudo compara enxertos venosos colhidos convencionalmente e na forma videoassistida determinando qual técnica apresenta menor risco de infecção no pos operatório.
MATERIAL E MÉTODOS: No período de Janeiro de 2012 a Setembro de 2013 foram realizados 479 safenectomias sendo que 393 enxertos venosos foram colhidos convencionalmente e 86 pela forma videoassisitida. A infecção da ferida da safenectomia incluiu: Infeccao superficial, profunda e deiscência de sutura. Para realizar a safenectomia videoassitida utilizouse o equipamento da Maquet Vasoview Hemopro com incisão de 1 cm na região medial do joelho ou terço inferior da coxa.
RESULTADO: No grupo de 86 pacientes que se realizou safenectomia videoassitida não se encontrou infecção no lugar da safenectomia. No grupo de 393 pacientes que se realizou safenectomia convencional 27 apresentaram infecção. Pelo test de Fisher encontrou-se uma P= ,0077, mostrando ter significado estatístico.
CONCLUSÃO: A técnica de safenectomia videoassistida foi relacionada com redução nas complicações e infecções da ferida cirúrgica assim como uma boa cicatrização e diminuição da dor no pos operatório reduzindo a morbilidade do paciente com melhores resultados pos cirúrgicos. Podendo assim responder a pergunta inicial, que sim, a infecção pode ser evitada.

 


 

P 06

Análise do custo-efetividade do implante intramiocárdico de células tronco autólogas de medula óssea em pacientes portadores de angina refratária classe IV - Estudo ReACT (Refractory Angina Cell Therapy)

Caio Cesar Cardoso; Nelson Americo Hossne Junior; Eveline Prestes Sales; Priscila Schuindt de Albuquerque Schil; Thiago Cavalcanti Vila Nova de Araújo; Eduardo Cruz; Walter José Gomes

INTRODUÇÃO: A angina refratária acarreta altos custos para o sistema de saúde, considerando as múltiplas internações pelos sintomas e baixa mortalidade por eventos cardiovasculares.
OBJETIVO: Nosso objetivo foi avaliar o custo-efetividade do implante intramiocárdico de células tronco autólogas de medula óssea em relação à redução de gastos com hospitalização por angina, em comparação ao custo do procedimento, após um ano de seguimento.
MATERIAL E MÉTODOS: Ensaio clínico prospectivo, aberto, não randomizado, incluindo 14 pacientes com angina refratária classe IV, isquemia miocárdica reversível, sem disfunção ventricular grave, os quais não eram passíveis de revascularização cirúrgica do miocárdio. O implante das células tronco autólogas de medula óssea foi realizado por toracotomia lateral esquerda, nas áreas isquêmicas demonstradas pela cintilografia, no mesmo ato anestésico. Os pacientes tiveram seus custos com internação hospitalar por angina pré e pós-procedimento mensurados e convertidos de acordo com os custos reais e pareados pelo teste de Wilcoxon.
RESULTADO: O tempo mediano de seguimento foi de 47,8 meses, com informações econômicas de custos diretos de 10 pacientes obtidas, com acompanhamento mínimo de 1 ano. Houve diferença estatisticamente significante na redução do número de internações em serviços de emergência (11,5-0,5; p=0,021); enfermarias (40,3-0; p=0,021) e unidades de terapia intensiva (11,5-0; p=0,024). Na análise financeira, após inclusão dos custos do procedimento de terapia celular realizado, observou-se redução significativa dos gastos brutos com hospitalização para todas as variáveis.
CONCLUSÃO: O implante intramiocárdico de células tronco autólogas de medula óssea em pacientes com angina refratária demonstrou ser altamente custo-efetivo, reduzindo significativamente os custos diretos relacionados à doença.

 


 

P 07

Prevalência e significado da lesão miocárdica após implante transcateter transapical de valva aórtica

Carolina Baeta Neves Duarte Ferreira; Diego Felipe Gaia; João Roberto Breda; Matheus Simmonato; Luis Augusto Financi Furlan; José Augusto Marcondes de Souza; Aline Couto; Enio Buffolo; José Honório Palma

INTRODUÇÃO: A incidência e a implicação prognóstica da lesão miocárdica provocada pelo implante transcateter transapical de valva aórtica não estão bem determinadas. Especula-se que a lesão miocárdica provocada pelo introdutor pode ser significativa e representar desvantagem desta via de acesso.
OBJETIVO: O objetivo deste trabalho é verificar a presença de lesão miocárdica provocada pelo implante transcateter transapical de valva aórtica.
MATERIAL E MÉTODOS: Cinquenta pacientes submetidos ao implante transapical de valva aórtica utilizando a prótese Inovare tiveram seus dados de CPK, CKMB massa e troponina avaliados retrospectivamente. Foram comparados as dosagens pré operatórias e o pico pós operatório. Análise estatística utilizando do software SPSS foi utilizado de modo a comparar a variação de dosagem enzimática. Análise multivariada foi utilizada com o objetivo de determinar variáveis que poderiam contribuir para a elevação enzimática.
RESULTADO: Dentre os 50 pacientes 97% e 60% tiveram elevação anormal da troponina e da CKMB respectivamente. A troponina elevou-se de 16,4 para 98,5 pg/mL com p.
CONCLUSÃO: Elevação enzimática nos pós operatório de implante valvar transapical é um achado comum. Não houve correlação com mortalidade. A comparação com o acesso transfemural poderá determinar se a elevação enzimática pode ser considerada uma desvantagem desta via de acesso.

 


 

P 08

Análise histomorfológica de corações com atresia e estenose mitral na síndrome do coração esquerdo hipoplásico

Decio Cavalet Soares Abuchaim; Carla Tanamati; Marcelo Biscegli Jatene; Miguel Barbero Marcial; Vera Demarchi Aiello

INTRODUÇÃO: A Síndrome do Coração Esquerdo Hipoplásico (SCEH) é caracterizada por um hipodesenvolvimento significativo do complexo coração esquerdo-aorta, que apesar da evolução do tratamento, continua sendo um desafio.
OBJETIVO: Identificar diferenças histomorfológicas em corações com atresia (AM) e estenose mitral (EM) na SCEH.
MATERIAL E MÉTODOS: Estudo de 33 corações com SCEH e nove corações normais, divididos em AM e EM, submetidos a análise histomorfológicas.
RESULTADO: Há associação de coronárias tortuosas no grupo EM (P=0,027) e dominância coronariana esquerda em 75% (P=0,01). No grupo AM há correlação entre aorta descendente e arco (P=0,039) e aorta descendente e istmo (P=0,010). No grupo EM, há correlação entre: Anel mitral e comprimento via de entrada de VD (P=0,045); Anel mitral e istmo (P=0,003); VE cavidade e aorta ascendente (P=0,010); arco e istmo (P=0,001); Aorta ascendente e arco (P=0,044). Não existe diferença no tamanho dos miócitos entre AM e EM(P=0,427), porém existe diferença significativa entre AM e controle (P=0,011) e EM e controle (P=0,023). O percentual de colágeno é diferente entre os três grupos (P=0,0001) e o grupo AM tem maior percentual.
CONCLUSÃO: A EM apresenta significativamente coronárias tortuosas e dominância esquerda; Na AM encontramos correlação entre o diâmetro da aorta descendente e arco e aorta descendente e istmo; No grupo EM, há correlação entre: anel mitral e comprimento via de entrada, anel mitral e istmo, VE cavidade e aorta ascendente, arco e istmo e arco e aorta ascendente; Há hipertrofia dos miócitos na SCEH e o percentual de colágeno é superior ao controle; Na AM há maior percentual de colágeno.

 


 

P 09

Alta hospitalar com dispositivo de assistência ventricular esquerda de longa permanência: mito ou realidade?

Fabio Biscegli Jatene; Fabio Antonio gaiotto; Paulo Manoel Pego-Fernandes; Pablo Alberto maria Pommerantzeff; Domingos Dias Lourenço Filho; Ronaldo Honorato Barros Santos; Andre Micheletto; Rames Anbar; Fernando Bacal; Sylvia Ayub; Edmar Alcides Bocchi; Filomena Galás; Ludmilla Abrão Hajjar; Roberto Kalil Filho

INTRODUÇÃO: O emprego de dispositivos de assistência ventricular esquerda de longa permanência (DAVLP) com possibilidade de alta hospitalar é realidade em países da Europa e Estados Unidos. No Brasil, a experiência ainda é pequena e os resultados são iniciais.
OBJETIVO: Avaliar qualitativamente o resultado da experiência inicial do implante do DAVLP, pela mesma equipe.
MATERIAL E MÉTODOS: Entre outubro de 2010 e outubro de 2013, 6 pacientes (pt) foram submetidos ao implante do DAVLP modelo Berlin Heart INCOR. Três eram portadores de miocardiopatia dilatada idiopática, 2 isquêmicos e 1 compactado. Um pt encontrava-se em INTERMACS 1; 2 pt INTERMACS 2; 2 pt INTERMACS 3 e 1 pt INTERMACS 4. Todos foram acompanhados por equipe multidisciplinar.
RESULTADO: Os implantes foram realizados com CEC, hipotermia branda e clampeamento intermitente da aorta. Em associação, em 2 pt a plastia tricúspide foi realizada. Não houve óbito na sala operatória, necessidade de revisão de hemostasia, disfunção do VD ou falha mecânica do DAVLP em nenhum paciente. Dois (33,3%) pacientes receberam alta hospitalar e quatro (66,6%) pt faleceram entre 19 e 92 (média 46) dias de pós-operatório por hemorragia digestiva em 2, AVC em 1 e septicemia em 1 pt. Dos 2 (33,3%) pt que receberam alta hospitalar com DAVLP, 1 foi submetido ao transplante cardíaco após 14 mesese o outro está em domicílio. Os 2 estão em boas condições clínicas.
CONCLUSÃO: O emprego de DAVLP é realidade no nosso meio, tendo seu uso se mostrado tecnicamente factível e sem complicações mecânicas inerentes ao dispositivo.

 


 

P 10

Remodelamento reverso após troca da valva aórtica associada ou não a revascularização do miocárdio

Fernando Antibas Atik; Felipe Bezerra Martins de Oliveira; Karla Maria Mendes do Amaral; Caio César de Lima Carvalho; Sérgio Andurte Carvalho Duarte; Maria Estefânia Otto; João Roberto Breda; Claudio Ribeiro da Cunha

INTRODUÇÃO: Os objetivos do tratamento cirúrgico da valvopatia aórtica são limitar a hipertrofia miocárdica e promover o remodelamento reverso. Essa premissa é por vezes incerta de ser alcançada em pacientes com disfunção ventricular esquerda.
OBJETIVO: Determinar se, após a troca da valva aórtica associada ou não a revascularização do miocárdio, o padrão de remodelamento reverso ocorre em pacientes com disfunção ventricular quando comparados com função normal.
MATERIAL E MÉTODOS: Entre janeiro de 2009 e dezembro de 2012, 227 pacientes foram submetidos a troca da valva aórtica isolada (N= 157) ou associada a revascularização do miocárdio (N=70). Foram analisados 486 ecocardiogramas transtorácicos seriados realizados desde o pré-operatório até o pós-operatório tardio num seguimento médio de 21,9 meses ± 14,8. Analisaram-se variáveis ecocardiográficas por análise de variância de medidas repetidas em pacientes com disfunção ventricular (G1) quando comparados aos com função normal (G2).
RESULTADO: O remodelamento reverso ocorreu independente da contribuição da revascularização do miocárdio. Houve redução no diâmetro diastólico do VE (- 17,6% G2 vs. -18% G1).
CONCLUSÃO: Pacientes com disfunção ventricular, quando comparados aos de função normal, apresentam reduções mais acentuadas no diâmetro sistólico do VE e volume de átrio esquerdo e elevação mais expressiva da fração de ejeção no pós-operatório tardio.

 


 

P 11

Eficácia de esferas de polimetilmetacrilato impregnadas com antibióticos em próteses vasculares aorticas infectadas

Fernando Kubrusly; Sam S. Leake; Harleen K. Sandhu; Ali Azizzadeh; Hazim J. Safi; Kristofer M. Charlton-Ouw

INTRODUÇÃO: Infecções de próteses aórticas carregam alta mortalidade tanto imediata (24% to 28%) quanto tardia (45% to 51%) e comumente envolvem multiplos organismos. Esferas de polimetilmetacrilato (PMMA) contendo antibiótico podem mostrar-se efetivas em controlar infecção pós tratamento cirúrgico.
OBJETIVO: Avaliação de eficácia contra patógenos encontrados em infecções de enxertos de aorta.
MATERIAL E MÉTODOS: Esferas de PMMA foram impregnadas com combinações de antibióticos: Daptomicina (DA), Tobramicina (TO), Meropenem (ME), com e sem Voriconazol. Uma vez confeccionadas, foram inseridas em 0.8% Mueller-Hinton agar para cultura com: VRE (vancomycin-resistant enterococcus), Klebsiella pneumoniae, S. Epidermidis e MRSA (Methicillin-resistant Staphylococcus Aureus). Após cultura, o halo de inibição antimicrobiana foi medido usando o método de Kirby Baue.
RESULTADO: A Técnica de microesferas mostrou-se de fácil realização. O ME se mostrou efetivo e de amplo-espectro, contra todos os organismos atingindo concentração inibitória mínima (MIC). A eficácia de ME foi diminuída com a adição de tobramicina mas não daptomicina. A DA não foi efetiva contra Klebsiella. TO não foi efetiva contra VRE, Klebsiella ou MRSA. Altas doses foram mais efetivas quando comparadas a baixas doses.
CONCLUSÃO: Esferas de PMMA com meropenem se mostraram eficazes contra patógenos encontrados em infecções de enxertos aorticos. Daptomicina pode ser usada para cobertura dupla contra bactérias de alta resistência como VRE e MRSA. Tobracimina demonstrou reduzir a eficácia do meropenem quando usada em combinação. Altas concentrações se mostraram mais efetivas. A adição de voriconazol não teve efeito deletério. Finalmente, acreditamos que, dada a alta mortalidade dessas infecções, esferas de PMMA podem ser parte importante do arsenal terapeutico do cirurgião.

 


 

P 12

O valor preditivo dos níveis de troponina I posoperatória e do EuroSCORE na mortalidade da cirurgia de revascularização do miocardio com CEC

Francisco Fernandes Moreira Neto; Elisio Rebouças; Pietro Cappellari; Cecilio Aparecido Jacob; Delmar Lima de Souza; Kelter Sgobi; Jose Carlos F Brasil; Marcus A. Ferez

INTRODUÇÃO: Existe extensa literatura afirmando que a dosagem da troponina no pós-operatório de cirurgia cardíaca é fator prognóstico de mortalidade. O EuroSCORE já é consagrado preditor de mortalidade. Decidimos comparar ambos marcadores.
OBJETIVO: Comparar a dosagem de Troponina I e o EuroSCORE para avaliar qual prognosticou melhor a mortalidade hospitalar e tardia dos pacientes submetidos a cirurgia de revascularização do miocárdio em nosso serviço.
MATERIAL E MÉTODOS: Estudo Prospectivo de 450 pacientes submetidos a cirurgia de revascularização do miocárdio com CEC pelo mesmo cirurgião em 2 instituições diferentes onde foram avaliados o EuroSCORE logistico e a dosagem máxima da troponina sérica de 12 e 24h após o final da cirurgia. Estes pacientes foram acompanhados por até 3 anos e a mortalidade foi avaliada para comparação entre os grupos.
RESULTADO: A mortalidade hospitalar total foi de 1,2% e a mortalidade a longo prazo de 3,8%. O EuroSCORE logístico do grupo total de pacientes operados foi de 3,6 e a TroponinaI média de 9,9 ng/ml. Foram avaliados então os pacientes que apresentaram óbito hospitalar e tardio e verificamos que o EuroSCORE logistico médio foi de 17,3%, enquanto a TnI de apenas 5,03.
CONCLUSÃO: O EuroSCORE logistico correlacionou-se melhor que a dosagem sérica (entre 12 e 24h de pós-operatório) da Troponina I com a mortalidade operatória e em até 3 anos de seguimento.

 


 

P 13

Otimização da dose de protamina para reversão da heparinização após cirurgias cardiacas com CEC

Francisco Fernandes Moreira Neto; Elisio Rebouças; Cecilio Aparecido Jacob; Delmar Lima Souza; Pietro Cappellari; Kelter Sgobi; Marcus Ferez; Paula Luciano

INTRODUÇÃO: Normalmente a CEC é realizada com a heparinização, na dose e 300 a 400U/Kg que é posteriormente revertida com a Protamina. Os protocolos de utilização da protamina mais comuns se baseiam na dose total de heparina administrada na CEC, usando uma taxa de reversão de 1 a 1,5mg para cada 100 U de heparina utilizada.
OBJETIVO: Testar um novo protocolo de utilização de protamina baseada na farmacocinetica da heparina e se resume na redução proporcional da dose da protamina baseada na meia-vida plasmática (estimada) da heparina.
MATERIAL E MÉTODOS: Foram avaliados prospectivamente 100 pacientes adultos submetidos a cirurgia cardíaca com CEC, e avaliados o TCA após a infusão da protamina e o TTPa na chegada a UTI para a confirmação da completa reversão da heparinização São administrados 4mg/Kg ou 400 U/Kg de heparina não fracionada, de marca não especificada e realizado primeiro TCA.Após a realização da cirurgia e saída de circulação extracorpórea, é feito o calculo para a reversão da heparinização baseado no tempo após a administração da heparina com estimativa da quantidade da mesma ainda em circulação baseada na sua depuração [(I/0,65+0,008xD) +/- 1] e tempo de ½ vida [(26+0,323D)+/-12min].
RESULTADO: A dose da protamina foi reduzida em média 25% em comparação a dose habitual, com completa reversão da heparinização em 92% dos casos, comprovada pelo TCA e TPPa pós-operatórios.
CONCLUSÃO: O método de utilização reduzida de protamina foi eficaz para reversão da heparinização comprovada pelo TCA e TPPa pós-operatórios em pacientes submetidos a cirurgia com CEC

 


 

P 14

Avaliação Tomográfica da Bioprótese Braile-Inovare pós implante: Uma prova de durabilidade

Guilherme Parente Lira; Diego Felipe Gaia; Andre Lupp Mota; Murilo Macedo; Marcio Rodrigo Martins; Marcus Vinicius Gimenes; Daniel Rodrigues Alves; Pedro Saab Mota; Caio Cesar Cardoso; Thiago Vila Nova; Ademir Massarico Braz; Carolina Baeta Neves Duarte Ferreira; Claudio Henrique Fisher; José Augusto Marcondes de Souza; Ênio Buffolo; José Honório Palma

INTRODUÇÃO: O implante transcateter de valva aórtica (TAVI) é um procedimento estabelecido. Não existe consenso do melhor método de avaliação pré e pós-operatória do anel aórtico. A presença de cálcio de maneira irregular pode resultar em deformidade da prótese com consequente elevação de gradiente ou insuficiência valvar residual.
OBJETIVO: O objetivo deste trabalho é avaliar, através de exame tomográfico, o formato da prótese Braile Inovare após o implante, correlacionando os achados com gradiente, insuficiência aórtica residual e disfunção protética.
MATERIAL E MÉTODOS: Vinte paciente consecutivos foram submetidos a avaliação tomográfica com reconstrução tridimensional (Osirix) onde foram medidos: o menor e o maior diâmetro protético e o perímetro protético (diâmetro médio). As medidas foram realizadas na base da prótese, no terço médio e no terço distal. Foi calculado o índice de esfericidade de prótese (menor diâmetro dividido pelo maior diâmetro, sendo 1(um) a circunferência perfeita). Dados ecocardiográficos de gradiente e regurgitação foram correlacionados.
RESULTADO: Os diâmetros médios calculados pelos perímetros não apresentaram diferença significativa quanto ao valor nominal das próteses utilizadas (22,08 mm) (entre 94-98% dos valores de referência) (p>0,05). O índice de esfericidade com aproximação ao círculo perfeito (0,91). Nenhum caso apresentou gradiente pós-operatório elevado ou regurgitação periprotética significativa.
CONCLUSÃO: As próteses avaliadas não apresentaram deformidade significativa apesar de calcificação importante do anel aórtico nativo, nem correlação com elevação de gradiente ou insuficiência aórtica residual, demonstrando manutenção da força radial e ausência de disfunção protética. O índice de esfericidade pode ser considerado um parâmetro útil na avaliação da qualidade da abertura da prótese transcateter.

 


 

P 15

Implante valvar aórtico por via transapical: análise dos resultados Imediatos e em médio prazo de dez casos

Heraldo Guedis Lobo Filho; Diego Felipe Gaia dos Santos; Fernando Soares de Medeiros; Dadson Leandro de Sá Sales; Carmelo Carneiro Silveira Leão Filho; Thales Nogueira Gomes; Daniel Ricardo do Nascimento Santos; Tiago Araújo Monteiro; Nathalia Ribeiro Pinho de Sousa; Pedro Gomes Moreira; Bruno Gadelha Silva; José Glauco Lobo Filho

INTRODUÇÃO: Implante transcateter de prótese aórtica foi introduzido na prática médica como procedimento alternativo à troca valvar em pacientes com risco cirúrgico muito elevado para o procedimento convencional.
OBJETIVO: Avaliar resultados clínicos e ecocardiográficos no pós-operatório imediato e em médio prazo, dos dez primeiros casos de implante valvar aórtico por via transapical, realizados por nossa equipe.
MATERIAL E MÉTODOS: Dez pacientes portadores de estenose aórtica grave submetidos a implante de valva aórtica transcateter INOVARE, por via transapical, de maio de 2012 a setembro de 2013. Quatro eram do sexo masculino (40%). A idade variou de 57 a 96 anos com média de 81,4 anos, sendo nove (90%) acima de 79 anos. Dados foram coletados de prontuários e banco de dados. Foram avaliados: mortalidade imediata e em médio prazo, complicações maiores (acidente vascular encefálico, infarto agudo do miocárdio, sangramento com necessidade de reintervenção, insuficiência renal aguda e necessidade de marcapasso definitivo) e resultados ecocardiográficos (gradiente transvalvar e vazamento paravalvar).
RESULTADO: Houve um óbito imediato (10%), por sangramento transoperatório, e um óbito (11,1%) dois meses após o procedimento, por insuficiência renal crônica agudizada. Não houve complicações maiores. Em dois casos, ecocardiograma, antes da alta hospitalar e no seguimento, evidenciou discreto vazamento paravalvar. Oito pacientes estão em acompanhamento ambulatorial, com melhora significativa dos sintomas.
CONCLUSÃO: Os primeiros dez casos de implante valvar aórtico por via transapical, realizados por nosso serviço, apresentaram baixas morbidade e mortalidade, bem como ótimos resultados ecocardiográficos, tanto em curto como médio prazo.

 


 

P 16

Protocolo de cuidados pré-operatórios no controle da taxa de infecções relacionadas ao sítio cirúrgico

Denise Louzada Ramos; João Galantier; Ivo Richter; Louise Houriuti de Barros; Amleto Leandro Bernardi; Marcelo Mendonça; Sheila Figueiredo; Nilza Sandra Lasta; Fernanda Andrade Cardoso; Viviane Aparecida Fernandes; Mariana Yumi Okada; José Carlos Teixeira Garcia; Marcelo Jamus; Pedro Gabriel Melo Barros e Silva; Valter Furlan

INTRODUÇÃO: As complicações infecciosas no pós-operatório de cirurgia cardíaca são clinicamente relevantes, aparecendo em cerca de 3% das operações e gerando um aumento da mortalidade e do tempo de internação hospitalar,
OBJETIVO: Comparar resultados de complicações infecciosas antes e após implantação de protocolo de cuidados perioperatórios específicos adotados na instituição.
MATERIAL E MÉTODOS: Estudo observacional retrospectivo, através de análise de banco de dados. Foram incluídos pacientes de cirurgia cardíaca com CEC, entre janeiro de 2012 e setembro de 2013. Foram analisados todos os casos de complicações infecciosas relacionadas ao sítio cirúrgico(ISC), divididos em safena, esterno e mediastino, quanto ao perfil demográfico (pré e intra-operatório) dos pacientes, bem como os desfechos clínicos: tempos de UTI, internação, reinternação e óbito. A comparação foi feita antes e depois da implantação de Programa de Prevenção de infecção de sitio cirúrgico(ISC) instituída no hospital (2012 x 2013).
RESULTADO: O total de pacientes foi de 298 em 2012 e 231 em 2013. A taxa de ISC observada foi respectivamente de 14,4% em 2012 e 6,8% em 2013 (p=0,007), com taxas de infecção de safena, esterno e mediastinite respectivamente de 6,4%, 6,9% e 1% em 2012 para 3,3%, 3,3% e 0% em 2013 (p=ns). Não houve diferenças entre os tempos de internação em UTI e hospitalar; a taxa de reinternação caiu de 13% para 9%(p=0.15) e não houve óbitos por infecção neste grupo.
CONCLUSÃO: O Programa de Prevenção de infecção de sitio cirúrgico(ISC) determinou redução na incidência de complicações infecciosas, bem como tendência à redução de taxa de reinternação.

 


 

P 17

Programa de redução de transfusões em serviço de cirurgia cardíaca: segurança nos desfechos clínicos

Denise Louzada Ramos; João Galantier:; Ivo Richter; Mauricio Galantier:; Amleto L. Bernardi; Nilza Sandra Lasta; Mariana Yumi Okada; Pedro Gabriel Melo Barros e Silva; Viviane Aparecida Fernandes; José Carlos Teixeira Garcia; Fernanda Andrade Cardoso; Antonio Claudio Baruzzi; Marcelo Jamus; Walter Furlan

INTRODUÇÃO: A utilização de hemocomponentes em cirurgia cardíaca apresenta grande variedade (30-80%) na literatura e está sabidamente relacionada a inúmeros eventos adversos. Neste sentido, existe uma tendência de restrição da terapia transfusional.
OBJETIVO: Demonstrar que uma política de redução de transfusão é efetiva, não influenciando negativamente nos desfechos clínicos.
MATERIAL E MÉTODOS: Estudo observacional retrospectivo, com análise de banco de dados. Foram incluidos pacientes de cirurgia de revascularização do miocárdio isolada (RMI), entre janeiro de 2010 e outubro de 2013. Foram comparados anualmente o número de transfusões e os desfechos: internação na UTI(UTI), internação hospitalar(Hosp), reinternação e óbito. As medidas de redução de transfusão que iniciaram em janeiro de 2011 são: interrupção por 7 dias da utilização de clopidogrel; utilização profilática de acido epsilon-aminocapróico; adoção de novas técnicas intraoperatórias na conservação sanguínea; política restritiva de transfusão sanguinea; política institucional de incentivo à redução de transfusão.
RESULTADO: Foram operados 1258 pacientes (RMI). A taxa de utilização de hemocomponentes foi respectivamente 70%(2010), 58%(2011), 48%(2012) e 35%(2013). Os resultados dos desfechos clínicos se encontram na tabela 1.
CONCLUSÃO: A política de redução de transfusões adotada em nosso serviço foi efetiva. Também observou-se redução nos tempos de UTI e internação hospitalar, e nas taxas de reinternação e mortalidade.

 


 

P 18

Fluxometria intra-operatória do enxerto composto de artéria torácica interna esquerda e veia safena magna

José Glauco Lobo Filho; Heraldo Guedis Lobo Filho; Maria Cláudia Azevedo Leitão; Eduardo Rebouças Carvalho; Thales Nogueira Gomes; Marco Aurélio Barroso Aguiar; Bruno Gadelha Silva; Gladson Fernades Vieira; Patrícia Leal Dantas Lobo

INTRODUÇÃO: Enxerto composto de artéria torácica interna esquerda (ATIE), em "Y", é uma técnica amplamente descrita na literatura. Fluxometria por tempo de trânsito (FTT) é um método para avaliar a perviedade dos enxertos em função da análise de parâmetros de fluxo.
OBJETIVO: Avaliar o comportamento do fluxo no enxerto composto de ATIE e veia safena magna (VSM).
MATERIAL E MÉTODOS: Estudo comparativo (grupo piloto de estudo intraoperatório do fluxo de enxertos). Dez pacientes submetidos ao uso de enxerto composto de ATIE e VSM, em "Y", para revascularizar artéria interventricular anterior e outro ramo do sistema coronariano esquerdo. Foi usado fluxômetro Butterfly-Medstim. Avaliados fluxo médio (mL/min); percentual diastólico (PD) e índice de pulsatilidade (IP), nos seguintes segmentos anatômicos: 1) ATIE proximal (antes do Y); 2) ATIE distal (após o Y)(com e sem buldog aplicado à VSM); 3) VSM (com e sem buldog aplicado à ATIE distal). Mensurações obtidas em condição basal e sob estresse farmacológico.
RESULTADO: Houve incremento de fluxo (mL/min), do repouso para o estresse, quando das medidas no(a): Segmento proximal da ATIE (26,7±10,36x42,5±16,24; p=0,001); ATIE distal (VSM livre) (18,4±14,83x27,4±13,18; p=0,001); ATIE distal (VSM ocluída por buldog) (21±14,7x29±14,63; p=0,027); VSM (ATIE distal livre) (7,2±3,32x14,9±12,97; p=0,004); VSM (ATIE distal ocluída por buldog) (10,1±3,14x18,6±9,37; p=0,001). Não houve diferenças nas comparações de PD e IP.
CONCLUSÃO: Enxerto composto de ATIE e VSM apresenta adaptabilidade de fluxo, com aumento expressivo do repouso para o estresse, tanto na porção proximal da ATIE, situação em que oferece sangue para dois vasos, como na porção distal da ATIE e na VSM.

 


 

P 19

Nova abordagem cirúrgica no tratamento da síndrome de hipoplasia do coração esquerdo

Jose Teles de Menonça; Marcos Ramos Carvalho; Rika Kakuda Costa; Roberto Cardoso Barroso; Ivan Sergio Espinola Souza; Maria Helena Domingues Garcia; Licia Rezende Mendonca; Maria Amélia Fontes De Faria Russo; Marcos Alves Pavione

INTRODUÇÃO: A reconstrução da continuidade ventrículo-aorta na síndrome de hipoplasia do coração esquerdo (SHCE) é um dos principais problemas no primeiro estágio do tratamento cirúrgico e é responsabilizada por parte dos insucessos, quer seja na fase imediata ou tardia.
OBJETIVO: Apresentar uma nova proposta de correção cirúrgica para a Sindrome da Hipoplasia do Coração Esquerdo (SHCE).
MATERIAL E MÉTODOS: A técnica consiste na reconstrução da neo-aorta com a utilização total do tronco pulmonar, do qual são seccionados os ramos direito e esquerdo. O tecido ductal é totalmente ressecado, a face côncava da aorta é incisada, do orifício ductal até a porção ascendente (fig. 1 e 2) e a anastomose pulmonar-aorta realizada diretamente sem auxílio de enxertos (fig. 3). A continuidade entre os ramos pulmonares é restaurada com enxerto tubular (biológico ou sintético) e o restabelecimento do fluxo pulmonar realizado através de "Shunt" subclávio pulmonar (Blalock-Taussig - fig. 4) ou ventrículo-pulmonar (Sano - fig. 5).
RESULTADO: A técnica foi empregada em dois pacientes, ambos em condições clínicas precárias. Foi de fácil execução e apresentou excelentes resultados anatômicos e funcionais. Os pacientes faleceram no pós-operatório, porém nenhuma das mortes pode ser atribuída ao procedimento.
CONCLUSÃO: A técnica proposta é extremamente simples e promove uma reconstrução anatômica da aorta, sem utilizar material estranho. A reconstrução da circulação pulmonar, como recomendado, favorece a realização da anastomose cavo-pulmonar (Glenn), quando o enxerto pode ser facilmente substituído.

 


 

P 20

Seguimento em longo prazo de pacientes submetidos à operação de Fontan: experiência de 20 anos

Leonardo Augusto Miana; Luiz Fernando Câneo; Aida Luisa Ribeiro Turquetto; Angelica Binotto; Carla Tanamati; Juliano Gomes Penha; Maria Isabel da Costa Soares Lopes; Gláucia Maria da Penha Tavares; Marcelo Biscegli Jatene

INTRODUÇÃO: A operação de Fontan (OF) é considerada o tratamento de escolha para pacientes portadores de fisiologia univentricular. Como a técnica desta cirurgia tem evoluído constantemente, a sobrevida em longo prazo destes pacientes vem sofrendo melhorias.
OBJETIVO: Estudar os pacientes submetidos a OF em nosso serviço, avaliando a sobrevida em até 20 anos, avaliando a incidência das principais complicações.
MATERIAL E MÉTODOS: Delineamento: Estudo retrospectivo observacional Material: Foram estudados 340 patientes consecutivos submetidos à OF. A idade média na cirurgia foi de 9 + 5 anos. Ventrículo único tipo esquerdo foi encontrado em 271 pacientes (79,7%). Metodo. Avaliação de banco de dados e de prontários de pacientes operados entre Janeiro de 1990 e Dezembro de 2010.
RESULTADO: A cirurgia realizada foi o tubo extracardíaco em 239 casos (70,3%), seguido do túnel lateral em 76 (22,3%) e da conexão átrio-pulmonar em 26 (2,9%). Derrame pleural (14,4%) foi a complicação mais incidente, seguida pela ocorrência de arritmias em 8,8%. Derrames pericárdicos e fenômenos tromboembólicos acometeram 7,9% dos pacientes. Enteropatia perdedora de proteínas foi diagnosticada em 12 casos (3,5%). Em quatro pacientes houve falência do Fontan e foi indicado o transplante. No entanto, apenas dois receberam um órgão. A sobrevida em 30 dias, 1,5,10 e 20 anos foi de 89%, 83,4%, 81,5%, 74,4% e 63,4%, respectivamente.
CONCLUSÃO: A OF permanence como uma boa alternativa terapêutica nos pacientes portadores de fisiologia univentricular. A sobrevida em longo prazo foi satisfatória neste grupo de pacientes com cardiopatias complexas, justificando sua indicação.

 


 

P 21

Análise de qualidade de vida após implante valvar aórtico transcatéter transapical com valva Inovare

Luís Augusto Furlan Financi; Diego Felipe Gaia; Matheus Simonato dos Santos; Aline Couto; João Roberto Breda; Nilton Carneiro; José Augusto Marcondes de Souza; Hermínio de Souza Alves Neto:; Carolina Baeta Neves Duarte Ferreira; Enio Buffolo; José Honório Palma

INTRODUÇÃO: A valva Inovare, da Braile Biomédica, utilizada em implante valvar aórtico transcatéter (TAVI), foi recentemente introduzida no Mercado para utilização em pacientes de alto risco. O incremento de sobrevida neste grupo está bem documentado, porém, a avaliação da qualidade vida é fator fundamental na escolha da indicação da terapia transcateter.
OBJETIVO: Avaliar as alterações na qualidade de vida dos pacientes submetidos à TAVI trans-apical com a valva Inovare, da Braile Biomédica, utilizando questionário padronizado.
MATERIAL E MÉTODOS: Oito pacientes que sofreram intervenção entre setembro de 2012 e julho de 2013 foram incluídos no estudo. Todos foram inicialmente submetidos ao questionário Kansas City Cardiomyopathy Questionnaire, com uma aplicação pré-operatória e outras três pós-operatórias, ao término do primeiro, quarto e sexto mês após a intervenção. Dentre esses 8 pacientes, 4 completaram o acompanhamento, sendo considerados nos resultados, enquanto 4 perderam seguimento. As comparações estatísticas foram feitas tendo o questionário pré-operatório como referência.
RESULTADO: Os pacientes iniciaram o acompanhamento com Overall Summary Score (OSS) médio de 43,034 (±26,538). Ao final do primeiro mês (69,023±28,839; p=0,1748) foi notado um aumento não-significante da média de OSS. No quarto mês (90,43±9,296; p=0,0175) e do sexto mês (85,078±20,033; p=0,0251), o aumento foi significante.
CONCLUSÃO: O presente trabalho sugere que os pacientes submetidos a TAVI trans-apical com a valva Inovare exibem uma melhora em seus níveis de qualidade de vida, sobretudo a partir do quarto mês pós-operatório. Nossos resultados ressaltam o impacto positivo do uso do TAVI, ainda que a avaliação de mais pacientes seja necessária para a obtenção de resultados mais contundentes.

 


 

P 22

O emprego do suporte circulatório mecânico de curta duração aumenta a sobrevida dos pacientes em fila de espera de transplante cardíaco pediátrico

Luiz Fernando Caneo; Leonardo Augusto Miana; Aida Luisa Turquetto; Carla Tanamati; Juliano Gomes Penha; Vanessa Alves Guimarães; Filomena Regina Barbosa Gomes Galas; Monica Shimoda; Nana Miura; Estela Azeka; Marcelo Biscegli Jatene

INTRODUÇÃO: O transplante cardíaco (Tx) é o tratamento de eleição na insuficiência cardíaca terminal. A escassez de doadores limita seu emprego. Hipotetizamos que o implante de dispositivos de assistência circulatória mecânica (ACM) diminuiria a mortalidade em fila de Tx.
OBJETIVO: Comparar a evolução dos pacientes em choque cardiogênico (CC) submetidos a suporte inotrópico isolado versus aqueles que receberam ACM com emprego de bomba centrífuga, avaliando a mortalidade até o Tx e alta hospitalar.
MATERIAL E MÉTODOS: Delineamento: Estudo prospectivo observacional Material: No período de janeiro de 2011 a outubro de 2013, 42 pacientes foram internados na UTI pediátrica com diagnóstico de miocardiopatia dilatada. A idade média foi de 4,5 anos e o peso médio foi de 18,4Kg. 18 pacientes evoluíram para CC com necessidade crescente de drogas vasoativas (INTERMACS 1 e 2), divididos em grupo A (sem ACM) e B (com ACM). Método: Os pacientes foram submetidos ao implante de ACM conforme disponibilidade. Houve acompanhamento prospectivo estudando-se a incidência de complicações e a sobrevida até o Tx e alta hospitalar.
RESULTADO: No grupo A (n=11), dois pacientes (18,2%) foram transplantados e nenhum recebeu alta hospitalar. Já no grupo B (n=7), 5 pacientes (71,4%) foram transplantados (p=0,039). Um recebeu alta hospitalar e 2 estão ainda internados. O tempo médio de assistência foi de 349 horas. O tempo médio em lista de espera foi de 47 dias.
CONCLUSÃO: O emprego do suporte circulatório mecânico de curta duração aumentou a sobrevida dos pacientes em prioridade na fila de espera de Tx pediátrico

 


 

P 23

Células Tronco e Neovascularização em Miocárdio Isquêmico através de Omentopexia. Estudo Experimental em Suinos

Luiz Fernando Kubrusly; Fernando B. Kubrusly; Tereza C. Cavalcanti; Marcela Santos; Yorgos Salles Graça; Caroline Aragão; Luiz Abeling; Angelina Massignan; Caroline Capeletto

INTRODUÇÃO: O momento é conhecido pelas aplicações como enxerto ricamente vascularizado, repleto de fatores angiogênicos, de crescimento endotelial e quimiostáticos.
OBJETIVO: Determinar a presença de imunomarcadores específicos de Células Tronco e de Angiogênese (Cd 34 e ckit 117) no miocárdio isquêmico submetido a Omentopexia.
MATERIAL E MÉTODOS: Infarto miocárdico foi gerado em 4 suínos, por ligadura coronária divididos em 2 grupos. No Grupo A (3 suinos), foi realizada a omentopexia envolvendo a área infartada No Grupo B (1suino) controle não foi realizada omentopexia sendo feita apenas a ligadura. Após 30 dias, realizou-se eutanasia, e os corações submetidos a macro e microscopia. Foram dosados os imunomarcadores Cd 34 e c-Kit Cd 117, para avaliação de neovascularização e presença de Células Tronco.
RESULTADO: Os animais do Grupo A demostraram atenuação da lesão isquêmica na área tratada pela técnica proposta, de forma que o ápice praticamente não tinha alteração perceptível. Esse padrão de preservação do miocárdio foi igualmente observado na microscopia. No Grupo B, controle, houve adelgaçamento e fibrose miocárdica. No Grupo A, com omentopexia, o estudo com imunomarcador Cd 34 evidenciou a presença de Neovascularização. Quanto ao imunomarcador de células Tronco (CD117, c-Kit), houve presença de imunomarcação e, portanto, presença de células tronco nos grupos tratados com omentopexia.
CONCLUSÃO: Omentopexia foi capaz de evitar a isquemia miocárdica e os imnunomarcadores Cd 117 e CD 34 evidenciaram a presença de Células Tronco e Neovascularização no miocárdio dos suinos tratados.

 


 

P 24

Ventilação mecânica não invasiva com pressão positiva determina melhor perfusão tecidual no pos-operatório de cirurgia de revascularização do miocardio: ensaio clínico controlado e randomizado

Mara Lilian Soares Nasrala; Yumi Gondo Lage; Fabiana dos Santos Prado; Solange Guizilini; Walter José Gomes

INTRODUÇÃO: O aumento das concentrações plasmáticas de lactato assim como baixos valores da saturação venosa central de oxigênio (ScVO2) tem sido comumente observadas após a cirurgia de revascularização do miocárdio.
OBJETIVO: Comparar os efeitos da ventilação mecânica não invasiva (VMNI) contínua versus intermitente nos parâmetros de perfusão tecidual determinados pela combinação de ScVO2 e lactato arterial.
MATERIAL E MÉTODOS: Foram avaliados 54 pacientes, que foram prospectivamente randomizados em dois grupos: Grupo VMNI Intermintente (Controle) e Grupo VMNI Contínua (Intervencional). Imediatamente após a extubação os pacientes foram submetidos à aplicação de VMNI com dois níveis de pressão, ajustado com IPAP de 20 cmH2O e EPAP de 10 cmH2O. Para o Grupo VMNI Contínua o tempo de VMNI foi de 6 horas no POi e 60 minutos duas vezes ao dia do 1º ao 5º PO, e 60 minutos no POi e 10 minutos duas vezes ao dia do 1º ao 5º PO no Grupo VMNI Intermitente. O lactato arterial e a ScVO2 foram coletadas diretamente do cateter venoso central no intra-operatório após a indução anestésica e no pós-operatório imediatamente após a extubação e após o protocolo de VMNI.
RESULTADO: No POi, antes da VMNI o lactato aumentou e a ScVO2 diminuiu significativamente em ambos os grupos (p<0,05).
CONCLUSÃO: A VMNI com pressão positiva contínua determinou melhor perfusão tecidual no pós-operatório de cirurgia de revascularização do miocárdio precoce.

 


 

P 25

O Heart Team Reduz A Mortalidade No Tratamento De Pacientes Com Doenças Da Aorta E Válvula Aórtica Submetidos A Procedimentos Invasivos

Marcela da Cunha Sales; Cristiane Aguzzoli; Álvaro Machado Rösler; Jonathan Fraportti do Nascimento; Fabio Furini; Eraldo de Azevedo Lúcio; Mauro Ricardo Nunes Pontes; Valter Correa de Lima; Fernando Antônio Lucchese

INTRODUÇÃO: A utilização de próteses valvares na população pediátrica é controversa, sendo preconizado o uso da valvoplastia. Em algumas situações, entretanto, a plastia valvar não é possível, sendo necessária a substituição da valva nativa. Até hoje, entretanto, são escassos os trabalhos procurando analisar a evolução de pacientes lactentes e em idade pré-escolar submetidos a troca valvar.
OBJETIVO: Avaliar os resultados de troca valvar em pacientes lactentes e em idade pré-escolar.
MATERIAL E MÉTODOS: Foi realizado estudo retrospectivo de 16 pacientes lactentes e em idade pré-escolar que passaram por cirurgia de troca valvar entre 1997 e 2006 no Instituto do Coração (InCor-HCFMUSP). Foram analisados prontuários, exames ecocardiográficos e relatórios cirúrgicos.
RESULTADO: A idade média dos pacientes no momento da cirurgia foi 11,2±9,8 (mín=1; máx=32) meses. As cardiopatias responsáveis pela valvopatia nos pacientes analisados foram: valvopatia congênita (38%), defeito do septo atrioventricular (31%), tronco arterial comum (19%) e tetralogia de Fallot (12%). Em 9 pacientes foi realizada a troca da valva mitral, em 4 da aórtica, em 2 da pulmonar e, nos 3 casos de tronco arterial comum, da valva truncal. O tamanho médio das próteses dói 12,8±1,9mm (mín=10; máx=16). Seis (38%) pacientes foram submetidos à reoperação durante o período de acompanhamento, sendo a principal indicação estenose da prótese valvar. O tempo médio livre de reoperação foi 48,3±32,2 (mín=1; máx=81) meses.
CONCLUSÃO: A troca valvar em lactentes e crianças em idade pré-escolar, embora deva ser reservada para casos especiais, mostrou-se uma possível alternativa terapêutica imediata. Ainda assim, reoperações se fazem necessárias, sendo o tempo de duração da prótese valvar bastante variável.

 


 

P 26

Avaliação dos requisitos estruturais da molécula de heparina que são necessários para estimular a Síntese de Heparam Sulfato Endotelial

Márcio Fabiano Chaves Bastos; Gustavo Rodrigues Rossi; Guilherme Lanzi Sassaki; Thales Ricardo Cipriani; Edvaldo da Silva Trindade

INTRODUÇÃO: Heparina é um polissacarídeo polianiônico e sulfatado integrante da família dos glicosaminoglicanos. Possui ação farmacológica como composto anticoagulante. Também possui ação sinalizadora na matriz extracelular favorecendo alterações morfológicas celulares, bem como pode interferir na produção de PGHS endotelial.
OBJETIVO: Identificar possíveis alterações celulares na matriz extracelular e na produção de Heparam Sulfato induzidas pelas diferentes heparinas avaliadas (Hemofol, Heptar, Clexane e Fragmin), e pelas modificações químicas realizadas.
MATERIAL E MÉTODOS: Foram utilizadas heparinas não fracionadas e de baixo peso molecular obtidas de pulmão bovino. As heparinas foram submetidas à N-dessulfatação.O-dessulfatação e também à carboxirredução. As heparinas modificadas foram analisadas utilizando: A) Dosagens de sulfato e ácido urônico, e análise de RMN-13C, B) Avaliação por Dicroísmo Circular. Posteriormente utilizamos as heparinas modficadas para avaliar as modificações ocorridas em culturas de células endoteliais de aorta de coelho. Estas células foras avaliadas através de microscopia óptica, microscopia confocal e microscopia de força atômica.
RESULTADO: 1-As heparinas quimicamente modificadas interferem sobre a ação anticoagulante,2-Heparinas induzem aumento da biossíntese de PGHS pelas células endoteliais,3-Heparinas carboxirreduzidas demonstraram uma importante diminuição da atividade anticoagulante,embora não tenham ocorrido alteração do teor de sulfato das suas amostras,4-A heparina e suas formas modificadas induzem sutis alterações na morfologia celular das células sendo que este efeito pode estar relacionado tanto pela concentração de heparina empregada e ao tempo de exposição a esta molécula.
CONCLUSÃO: As heparinas possuem diversos efeitos na sinalização celular, influenciando desta forma as reações celulares ocorridas.Modificações na sua molécula acarretam respostas diversas do organismo e podem interferir na sua ação farmacológica da medicação anticoagulante.

 


 

P 27

A reposição de fatores de coagulação com derivados sintéticos diminui o sangramento e a necessidade de hemotransfusão no peri e pós-operatório de Operação de Jatene?

Marilia de Moraes Vasconcellos; Leonardo Augusto Miana; Rômulo Guimarães de Almeida; Marcello Fonseca Salgado Filho; Bruno Marques; Marcello Gomide; Alessandra Cosenza; Luiz Carlos Simões; Leôncio Feitosa; Andrey José O Monteiro

INTRODUÇÃO: Recém-nascidos cursam com risco aumentado de sangramento e necessidade de hemotransfusão em cirurgia cardíaca. O uso de derivados sintéticos (HS), como complexo protrombínico, fator VII e fibrinogênio, vem sendo proposto como alternativa segura e eficaz ao uso de hemoderivados humanos.
OBJETIVO: Hipotetizamos que a utilização de HS para a reposição de fatores de coagulação minimizaria o sangramento e a hemotransfusão no pré e pós-operatório da Operação de Jatene (OJ).
MATERIAL E MÉTODOS: Delineamento: Estudo prospectivo observacional. Material: Entre Janeiro/2010 e Dezembro/2012, vinte recém-nascidos consecutivos portadores de Transposição das Grandes Artérias foram submetidos à OJ. Oito pacientes receberam a infusão de HS no pré-operatório. Métodos: Os pacientes foram submetidos à infusão de HS de forma não randomizada, de acordo com a disponibilidade e opção do anestesiologista. Os dados intra-operatórios foram colhidos prospectivamente em ficha própria e os dados pós-operatórios através da análise dos prontuários.
RESULTADO: O volume de sangramento em 24 horas nos pacientes em que foi utilizado HS foi de 25,9 + 20,6 versus 16 + 11,6 ml/kg (p=0,07). A transfusão de concentrado de hemácias foi de 85,4 + 40,3 versus 69,2 + 21 ml/kg (p=0,046). Não houve impacto significativo na dose de crioprecipitado (p=0,2) e plasma (p=0,07). O volume de infusão de plaquetas foi maior nos pacientes que receberam inicialmente HS (p=0,0009).
CONCLUSÃO: Nesta população específica de pacientes, o uso de HS foi relacionado com maior utilização de concentrado de hemácias e plaquetas, além de uma tendência a maior sangramento.

 


 

P 28

Stent válvula expansível de poliuretano: Uma alternativa viável para pacientes pediátricos

Miguel Angel Maluf; Lucildes Mercuri; Laercio Lage; Jenivaldo Matos; Miko Obradovic; Rainer Bagulla; Hartmut Grathwohl

INTRODUÇÃO: Na procura de novos materiais bioestáveis, biocompatíveis, resistentes a fadiga e com baixo índice de calcificação, tromboembolismo e infecção, o poliuretano constitui uma alternativa viável, para a manufatura das próteses cardíacas.
OBJETIVO: Desenvolver um protótipo de stent válvula de poliuretano, para implante transcateter em pacientes pediátricos, que possa ser expandido acompanhando o crescimento do paciente, sendo o seu diâmetro dimencionado mediante a utilização de cateter balão.
MATERIAL E MÉTODOS: Manufatura do Prototipo: Sera construído um stent válvula expansível. Um suporte de geometria cilíndrica, com o formato dos seios de valsalva de uma valva sigmoidea. Preparo do poliuretano para a formação das cúspides valvares. O stent é acoplado ao suporte, seguido de aplicação do poliuretano, para a construção dos folhetos da válvula. As prótese liberadas após os testes in vitro, são submetidas a clipagem dentro de catéter balão, reduzindo o seu diâmetro de 22 mm para 4,2 mm (13 FR).
RESULTADO: Estudos experimentais de válvula de poliuretano mostraram bom desempenho hemodinâmico e baixa incidência de calcificação.
DISCUSSÃO: O stent expansível tem vantagens porque é possível alterar o seu diâmetro, utilizando cateter balão, acompanhando o desenvolvimento da criança.
CONCLUSÃO: Trata-se de projeto sustentável, durável, expansível, implantado por catéter; que não manipula tecido animal nem soluções químicas tem baixo custo, cujo implante tem acesso transcatéter, avaliado pelo método científico.

 


 

P 29

Efeito de diferentes fontes proteicas na dieta alimentar sobre a aorta de ratas ovariectomizadas submetidas ao treinamento sesistido

Nathalia Edviges Alves de Lima; Jurema Carmona Sattin Cury; Glaucia Figueiredo Braggion; Elisabete Ornelas; Laura Beatriz Mesiano Maifrino

INTRODUÇÃO: Estudos têm demonstrado forte relação entre menopausa, dieta alimentar inatividade física e a presença de fatores causadores de lesões endoteliais e teciduais, que levam ao aumento do risco de desenvolver doenças coronarianas.
OBJETIVO: Analisar os efeitos histomorfométricos na aorta de ratas ovariectomizadas com diferentes dietas alimentares que realizaram exercícios resistidos.
MATERIAL E MÉTODOS: Vinte e cinco ratas ovariectomizadas adultas da linhagem Wistar divididas em 5 grupos:controle sedentário com dieta protéica vegetal (CO), sedentário com dieta protéica vegetal(VOS);treinado com dieta protéica vegetal(VOT); sedentário com dieta protéica animal(AOS); treinado com dieta protéica animal(AOT).Após 14 meses os animais foram submetidas ao protocolo de treinamento e dietas com proteína vegetal e animal,durante 8 semanas.Ao final do experimento os animais foram eutanasiados confeccionadas laminas histológicas, examinadas ao microscópio de luz e utilizadas para fazer fotomicrografias, que foram utilizadas para estudos morfométricos e estereológicos.
RESULTADO: Comparando CO com VOS houve aumento de densidades de volume de miócitos (Vv[mio]) e núcleo(Vv[nu]) e diminuição no intersticio(Vv[int]), espessura e densidade númerica de lamelas(Nv[lam]). VOS comparado a VOT mostrou diminuição na Vv[mio] e aumento nos Vv[nu], Vv[int], espessura, Nv[lam] e densidade de volume de fibras colágenas(Vv[fc]). VOT comparado ao AOS apresentou aumento de Vv[mio],Vv[fc] e espessura e diminuição de Vv[nu] e Vv[int]. AOS comparado ao AOT apresentou aumento de Vv[int], Nv[lam] e espessura e diminução de Vv[fc].
DISCUSÃO: Em contraste com as controvérsias existentes na literatura em relação à melhora dos parâmetros ecocardiográficos, esta investigação demonstrou um aumento da fração de ejeção, redução dos diâmetros diastólico e sistólico ventriculares esquerdos.
CONCLUSÃO: Concluímos que dieta de proteína vegetal associada ao exercício físico tem efeito atenuante nas modificações da aorta no envelhecimento e na menopausa tornando a aorta mais elástica com uma maior distensibilidade e menor rigidez.

 


 

P 30

O uso da circulação extracorpórea aumenta o risco de Vasoplegia em pacientes com Insuficiência Renal Crônica Hemodialítica submetidos a Revascularização Cirúrgica do miocárdio

Nelson Americo Hossne Junior; Matheus Miranda; Marcus Rodrigo Monteiro; Yara Juliano; José Osmar Medina de Abreu Pestana; João Nelson Rodrigues Branco; Walter José Gomes

INTRODUÇÃO: A cirurgia de revascularização do miocárdio (CRM) é a terapia mais efetiva para melhora de prognóstico em pacientes com insuficiência renal crônica dialítica com acometimento coronariano multiarterial. Dentre as complicações pós-operatórias, a síndrome vasoplégica de etiopatogenia inflamatória tem ganhado relevância pelo impacto altamente negativo no resultado.
OBJETIVO: O objetivo foi avaliar a incidência e mortalidade da síndrome vasoplégica no pós-operatório da CRM em pacientes com insuficiência renal crônica dialítica com acometimento coronariano multiarterial.
MATERIAL E MÉTODOS: Estudo retrospectivo unicêntrico de 50 pacientes dialíticos consecutivos e não selecionado submetidos à CRM em um hospital terciário universitário, no período de 2007 a 2012. Estes pacientes foram divididos em 2 grupos, de acordo com o emprego ou não da circulação extracorpórea (CEC). Após a identificação dos pacientes quanto à presença de vasoplegia, este subgrupo teve suas características demográficas, intra e pós-operatórias analisadas.
RESULTADO: Não houve diferenças demográficas pré-operatórias entre os grupos com CEC (n=20) e sem CEC (n=30). Dados intra-operatórios demonstraram maior número de coronárias revascularizadas (2,8 vs 1,8; p.
CONCLUSÃO: O emprego da circulação extracorpórea na revascularização cirúrgica do miocárdio em pacientes com insuficiência renal crônica dialítica aumentou o risco de desenvolvimento de síndrome vasoplégica pós-operatória.

 


 

P 31

Estudo da influência da relação proteína C-reativa com a albumina na evolução e no tempo de internação hospitalar de pacientes submetidos à cirurgia de revascularização do miocárdio com circulação extracorpórea

Alessandro Gonçalves Altoé; Álvaro Armando Carvalho de Morais; Otoni Moreira Gomes; Melchior Luiz Lima; Luis Daniel da Fraga Torres; Odilon Silva Henrique Junior; Lisandro Gonçalves Azeredo; Luis Bento Coelho; Ediraldo Jaciento Junior

INTRODUÇÃO: Estudo recente mostrou que a relação PCR/albumina é útil na avaliação de várias situações clínicas e é possível que possa orientar o prognóstico de pacientes a serem submetidos a grandes cirurgias eletivas.
OBJETIVO: Estudar a influência da relação PCR/albumina na evolução e no tempo de internação hospitalar de pacientes submetidos à cirurgia de revascularização do miocárdio com circulação extracorpórea.
MATERIAL E MÉTODOS: De abril a novembro de 2010 foram avaliados, de maneira prospectiva e consecutiva, 34 pacientes submetidos a cirurgia de revascularização do miocárdio, utilizando CEC. Dois grupos foram analisados. O Grupo 1 foi formado pelos pacientes que apresentavam relação PCR/albumina maior que 1,2 e o Grupo 2, pelos que apresentavam uma relação menor ou igual a 1,2. Critérios de exclusão foram:diabetes mellitus, DPOC, FE<40%, idade>65 e reoperações. Na avaliação estatística foram utilizados os testes:Kolmorogov, Levene, t de Student e Mann-Whitney.
RESULTADO: O número de complicações e o tempo de internação foram maiores nos pacientes que apresentavam relação PCR/albumina maior que 1,2. O PCR apresentou diferenças significativas em suas concentrações no pré e pós-operatório. A albumina apresentou diferença significativa apenas no pós-operatório.
DISCUSSÃO: Este estudo demonstrou que a relação PCR/albumina acima de 1,2 correlaciona-se com uma maior morbimortalidade no pós-operatório de pacientes submetidos a cirurgia de revascularização do miocárdio, sugerindo que talvez possa fazer parte da avaliação pré-operatória destes pacientes.
CONCLUSÃO: Os pacientes submetidos a cirurgia de revascularização do miocárdio com circulação extracorpórea, que apresentaram uma relação PCR/albumina maior que 1,2, evoluíram com maior tempo de internação hospitalar e maior morbimortalidade no pós-operatório.

 


 

P 32

Impacto do uso de fio de poliglactina pmpregnado com triclosan na prevenção de infecção de ferida de safenectomia em cirurgia de Revascularização do Miocárdio: ensaio clínico prospectivo, duplo-cego e randomizado

Paulo Samuel Santos Filho; Bernardo Rangel Tura; Alexandre Siciliano Colafranceschi; Andréa Nunes de Souza; Eduarda de Vasconcellos; Fernando Alves Rocha; Pedro Augusto Gori Lima; Andrey José de Oliveira Monteiro

INTRODUÇÃO: As infecções de sitio cirúrgico ISC nas safenectomias realizadas nas cirurgias de Revascularização do Miocárdio RM, aumentam a morbidade e o tempo de internação dos pacientes causando dor e desconforto, elevando consideravelmente os custos hospitalares.
OBJETIVO: Avaliar o impacto do uso do fio de poliglactina com triclosan na prevenção de infecção das safenectomias nas RM no Instituto Nacional de Cardiologia INC, foi objetivo deste ensaio clínico prospectivo, duplo-cego e randomizado iniciado em 2011.
MATERIAL E MÉTODOS: Este fio foi utilizado em metade dos pacientes e, na outra metade, o fio de poliglactina convencional. Os pacientes foram avaliados em três oportunidades nos trinta dias após sua cirurgia: na primeira semana e em torno do 15º e 30º dias, quando suas feridas foram examinadas e fotografadas e exames laboratoriais (glicose, uréia, creatinina, hemograma, VHS e PCR) realizados.
RESULTADO: Os grupos foram denominados Abacaxi e Pepino para não quebrar o cegamento da randomização. No Abacaxi a incidência foi de 10,5% enquanto no Pepino de 4,8%. Frente a magnitude do efeito o tamanho amostral foi reduzido 686 para 514 pacientes.
CONCLUSÃO: Resultados e Conclusão Provisória: Em dezembro de 2012 já tinham sido incluídos 332 pacientes e, uma análise interina concluiu que a randomização até o momento foi eficiente apresentando os dois grupos de forma homogênea e, que houve uma diferença significativa de incidência de ISC entre os grupos.

 


 

P 33

Durabilidade de Homoenxertos Aórticos e Pulmonares nas Cardiopatias Congênitas em Adultos e Crianças Menores de 12 Meses

Pedro Henrique Cardoso Borges; Ana Wayhs Tech; Gabriela de Nadal Vogt; Gabriel Ricardo Loesch Siebiger; Ivan dos Santos Corrêa; Roberta Parma Dorigueto de Oliveira; Maycon Alexandre Baltazar da Silva; Estela Suzana Kleiman Horowitz; Paulo Roberto Lunardi Prates; João Ricardo Michielin Sant'anna; Paulo Roberto Prates; Renato Abdala Karam Kalil; Ivo Abrahao Nesralla

INTRODUÇÃO: Os homoenxertos são uma alternativa para a reconstrução da via de saída do VD (VSVD) que pode ser empregada em todas as idades.
OBJETIVO: Avaliar resultados tardios da reconstrução da VSVD com homoenxertos nos extremos de idade.
MATERIAL E MÉTODOS: Coorte histórica entre Maio de 1995 e Junho de 2013 de 59 reconstruções da VSVD (26 adultos e 33 menores de 12 meses). Acompanhamento deu-se por visitas ambulatoriais. As curvas atuariais e os fatores de risco para reintervenção cirúrgica, óbito e disfunção do enxerto foram obtidos.
RESULTADO: Os diagnósticos mais prevalentes foram Truncus Arteriosus, nos pacientes infantis (11 casos) e Tetralogia de Fallot (16 casos) entre os adultos. A idade média dos pacientes à cirurgia foi de 6,6 meses e 30 anos. Utilizou-se 27 enxertos aórticos e 6 pulmonares, no grupo infantil e 20 aórticos e 6 pulmonares no grupo adulto. Durante o seguimento 1 paciente foi a óbito no grupo infantil e nenhum no adulto. Estavam livres de disfunção em 5 e 10 anos, no grupo infantil, 100% dos homoenxertos pulmonares e 73,3% e 53,5% dos aórticos. No grupo adulto esses números eram de 94,1%, 82,4% e 68,6% em 1, 7 e 9 anos de seguimento para os enxertos aórticos e 100%, 100% e 66,7% para os pulmonares. Neste ultimo grupo o homoenxerto pulmonar foi fator de risco para óbito (p=0,028).
DISCUSSÃO: A diacereína tem efeitos benéficos no remodelamento ventricular após 4 semanas de isquemia miocárdica promovendo menores volumes ventriculares. A diacereína também promoveu menor fibrose. A investigação dos mecanismos celulares que resultam nestes achados ainda estão sob investigação.
CONCLUSÃO: Os homoenxertos são opção viável para a reconstrução da VSVD nos extremos de idade. Homoenxertos pulmonares devem ser melhor avaliados em comparação a outros condutos.

 


 

P 34

Analise dos Resultados a Longo Prazo da Reconstrução da Via de Saída do Ventrículo Direito com Homoenxertos

Pedro Henrique Cardoso Borges; Estela Suzana Kleiman Horowitz; Paulo Roberto Lunardi Prates; João Ricardo Michielin Sant'anna; Paulo Roberto Prates; Renato Abdala Karam Kalil; Ivo Abrahao Nesralla

INTRODUÇÃO: A reconstrução da via de saída do ventrículo direito (VSVD) é realizada com vários tipos de enxertos. Homoenxertos aórticos e pulmonares são empregados, em forma tubular ou retalho em telhado com válvula monocúspide.
OBJETIVO: Avaliar a longo prazo os resultados de homoenxertos aórticos e pulmonares.
MATERIAL E MÉTODOS: Coorte histórica de 182 procedimentos de reconstrução da VSVD, com idade média à cirurgia 9 anos, realizados entre maio 1995 e junho 2013. Seguimento por visitas ambulatoriais.
RESULTADO: Utilizou-se 132 enxertos aórticos e 50 pulmonares, sendo 162 frescos e 16 criopreservados. Diagnóstico mais frequente foi Tetralogia de Fallot, 79 pacientes, seguida pela Atresia Pulmonar, 38. A média de seguimento foi de 7,6 anos (6 meses a 17 anos). 18 pacientes foram reoperados por falha do homoenxerto. Estavam livres de disfunção em 2, 5 e 10 anos 96,7%, 96,7% e 83,9% dos homoenxertos pulmonares, respectivamente. Estavam livres de retirada cirúrgica, no mesmo seguimento, 97%, 93,6% e 78%. Homoenxertos aórticos estavam livres de disfunção em 95,5%, 89,9% e 62%, e livres de reoperação em 98%, 89% e 76,8%. Não houve diferença estatística na mortalidade entre enxertos aórtico e pulmonar. Homoenxertos frescos estavam livres de disfunção em 93,5% aos 6 anos, comparados com 46,8%para os criopreservados (p.
CONCLUSÃO: Homoenxertos são escolhas viáveis para reconstrução da VSVD. O enxerto pulmonar tem menor disfunção em seguimentos longos. Idade menor que 12 meses foi fator de risco para óbito (p.

 


 

P 35

Tratamento Híbrido para Síndrome Hipoplásica do Coração Esquerdo: Experiência inicial da UNIFESP-EPM

Pedro Saab Mota; José Cícero Stocco Guilhen; Luciana Da Fonseca; Célia M. Camelo Silva; Mirella R. S. F. de Castro; Antonio Carlos Carvalho; Walter José Gomes

INTRODUÇÃO: O tratamento da Síndrome Hipoplásica do Coração Esquerdo (SHCE) tem sido baseado na abordagem precoce com a cirurgia de Norwood, que, entretanto tem elevada morbi-mortalidade no nosso meio. A partir dos anos 90 com o advento do procedimento hibrido, houve a possibilidade de oferecer um tratamento paliativo aparentemente menos agressivo. O objetivo desse trabalho é relatar a experiência inicial da UNIFESP-EPM com esse procedimento para o tratamento da SHCE.
OBJETIVO: Nove neonatos foram submetidos ao procedimento híbrido para correção inicial da SHCE, com abordagem multidisciplinar pelas equipes de Cirurgia Cardiovascular e Cardiopediatria.
MATERIAL E MÉTODOS: O procedimento consistiu na realização de bandagem dos ramos da artéria pulmonar, seguido de implante de "stent"não recoberto no canal arterial através de cateterização da artéria pulmonar. Para a bandagem dos ramos pulmonares foi utilizado tubo de PTFE de 3,0 ou 3,5mm de diâmetro.
RESULTADO: A idade variou de 1 a 41 dias (média 13,7 dias), o peso entre 2,5 a 3,69 kg (média 2,88kg). Dois pacientes necessitaram de atrioseptostomia por balão no primeiro pós-operatório. Não houve óbito intra-hospitalar, a mortalidade tardia foi de seis pacientes, três com três meses de vida, dois com trinta dias e um óbito após o segundo estágio. Três pacientes foram submetidos ao segundo estagio e um paciente aguarda o segundo estágio.
CONCLUSÃO: O procedimento híbrido para o tratamento da SHCE é uma opção viável, com baixa mortalidade intra-hospitalar como demonstrado. No entanto há necessidade de acompanhamento rigoroso entre os estágios cirúrgicos e realização mais precoce do segundo estágio.

 


 

P 36

Tratamento cirúrgico de tumores renais e adrenais com extensão intravascular para veia cava inferior e câmaras cardíacas direitas com uso de circulação extracorpórea

Pedro Saab Mota; José Cícero Stocco Guilhen; Ademir Massarico; Cassio Andreoni; Walter José Gomes

INTRODUÇÃO: As neoplasias renais e adrenais têm aumentado sua incidência nas últimas décadas e entre 4 a 10% destes tumores cursam com invasão tumoral de veia cava inferior e câmaras cardíacas direitas. Nefrectomia radical associada a trombectomia é o único tratamento que pode garantir uma melhor sobrevida e o uso da circulação extracorpórea(CEC) se faz necessário em muitos casos.
OBJETIVO: Relatar a experiência do tratamento cirúrgico das neoplasias renais e adrenais com extensão tumoral cardiovascular e analisar seus resultados imediatos.
MATERIAL E MÉTODOS: Dezenove pacientes com neoplasias renais e adrenais e extensão tumoral intravascular foram operados entre jan/2002 a dez/2012. A média de idade dos pacientes foi de 36,42 ± 27,11 anos. Os tipos histológicos foram: 2 adenocarcinomas adrenais, 5 tumores de Wilms, 11 carcinomas de células renais e 1 leiomiossarcoma. Em todos os pacientes os tumores acometiam a veia cava inferior supra-hepática, em 68% o átrio direito e em 5,2% o ventrículo direito.
RESULTADO: As cirurgias foram realizadas com o auxílio da CEC e hipotermia profunda com parada circulatória total (PCT) em 14 casos ou hipotermia moderada sem PCT em 5 casos. Em todos os pacientes foi possível a retirada total do tumor e sua extensão. Mortalidade intra-hospitalar foi de quatro casos (21%), três por choque hemorrágico e um por insuficiência respiratória.
CONCLUSÃO: O tratamento cirúrgico combinado das neoplasias renais e adrenais com extensão tumoral para veia cava inferior e câmaras cardíacas proporciona retirada total do tumor e sua extensão, consistindo atualmente no único método que melhora o prognóstico desses pacientes.

 


 

P 37

Estudo comparativo de safenectomia convencional e videolaparoscópica em pacientes diabéticos e/ou com IMC>30

Renata Pereira Esteves De Jesus; Juan Carlos Arias Millan; Bruno Marques; Rodrigo Segalote; Andrey Monteiro; Braulio Santos

INTRODUÇÃO: A safenectomia videolaparoscópica (SV) surgiu como método alternativo para reduzir as complicações da safenectomia convencional (SC). Existem fatores de risco que podem contribuir à técnica operatória empregada para ocorrência de tais complicações dentre os quais a idade, sexo, obesidade (IMC>30), diabetes.
OBJETIVO: Comparar as duas técnicas em pacientes com fatores de risco (diabetes e/ou obesidade) com relação à incidência de infecção/deiscência da ferida no período pós-operatório no Instituto Nacional de Cardiologia/MS.
MATERIAL E MÉTODOS: Foram analisados 479 pacientes submetidos à SC e SV. Os pacientes foram estratificados com fator de risco e sem fator de risco com análise quanto à ocorrência de infecção/deiscência de ferida operatória nos três meses após a cirurgia. Aparelho de vídeo: Vasoview Hemopro 2 da Maquet. Para análise Estatística utilizamos teste de Fisher.
RESULTADO: 86 pacientes submetidos à SV e 393 à SC no período de janeiro/2012 a setembro/2013. Nesses 86 pacientes, não houve incidência de infecção/deiscência nem nos com fatores de risco (69 pacientes) nem nos sem fatores de risco(17 pacientes). Dos 393,195 possuíam fatores de risco dos quais 23 desenvolveram infecção/deiscência na ferida operatória; nos 198 restantes, 4 desenvolveram infecção/deiscência. A estatística de significância, risco relativo e intervalo de confiança dos dados da SV não pode ser realizada tendo em vista os valores nulos obtidos. Em relação à SC, o RR = 5,8385 e o 95%IC =2,0570 a 16,5717.
CONCLUSÃO: A SV não apresentou infecção/deiscência em nenhum dos grupos. Pacientes SC com fatores de risco possuem um risco 5 vezes maior de desenvolver infecção/deiscência de ferida operatória se comparado com os pacientes sem fatores de risco.

 


 

P 38

Tratamento cirúrgico dos aneurismas complexos e dissecções da aorta torácica utilizando a técnica do "Frozen Elefant Trunk"

Ricardo Ribeiro Dias; José Augusto Duncan Santiago; Leandro Batista de Faria; Diego Sarty Vianna; Fábio Fernandes; Félix José Álvares Ramirez; Charles Mady; Fábio Biscegli Jatene

INTRODUÇÃO: Pacientes com doenças complexas da aorta torácica (DCAT) podem necessitar de várias intervenções durante seu seguimento.
OBJETIVO: Relatar a experiência inicial com a técnica do "Frozen Elephant Trunk" (FET) na abordagem das DCAT com comprometimento do arco aórtico.
MATERIAL E MÉTODOS: No período de julho de 2009 a outubro de 2013, realizou-se estudo retrospectivo de banco de dados elaborado prospectivamente com 21 pacientes, 66% masculinos, média de idade de 55 anos, portadores de dissecção da aorta tipo A de Stanford (9,6% aguda e 57,3% crônica), tipo B (14,3% crônica) e aneurismas complexos (19%), foram operados pela técnica do FET. 14,3% eram reoperações e 38% de procedimentos associados. A avaliação angiotomográfica comparou o exame pré-operatório com o último exame realizado.
RESULTADO: Mortalidade hospitalar de 14,2%, respectivamente nas dissecções do tipo A aguda e crônica, do tipo B crônica e nos aneurismas de 50%; 8,3%; 33,3% e 0%. Tempos médios de CEC, isquemia miocárdica e perfusão cerebral seletiva respectivamente de 152±24min; 115±31min; 60±15min. As principais complicações observadas foram reope-ração por sangramento, AVC, paraplegia, IOT prolongada (>72h) e IRA dialítica respecti-vamente 14,2%; 4,7%; 9,5%; 4,7% e 4,7%. Em 4 pacientes (19%) houve a necessidade de reintervenção distal. No seguimento observou-se trombose de 80% e 60% respectiva-mente nos seguimentos da aorta torácica com e sem stent)
CONCLUSÃO: A gravidade da doença justifica a morbimortalidade mais elevada deste procedimento, que permite tratamento de mais de 2 segmentos da aorta torácica em um único estágio, porém dependendo-se da extensão distal, uma segunda intervenção se faz necessária.

 


 

P 39

Tratamento isolado da valva aórtica com o acesso minimamente invasivo pelo 2 Espaço Intercostal Direito versus esternotomia mediana: estudo retrospectivo

Roberto Rocha e Silva; Vanessa Psciotto; Ricardo De Mola; Renata Tosoni Rodrigues Ferreira

INTRODUÇÃO: Cirurgias minimamente invasivas promovem abordagem estétitica e mais conforto em relação a esternotomia.
OBJETIVO: Estudo retrospectivo comparando acesso pelo 2º Espaço Intercostal Direito (2EICD) a esternotomia.
MATERIAL E MÉTODOS: Esternotomia: 12 pacientes, média de 59 anos. CEC em normotermia. Cardioplegia anterógrada. Troca convencional da valva aórtica. 2EICD: 15 pacientes, média de 54 anos. Incisão transversa na pele de 6 a 10 cm sobre o 2EICD. Ligadura e secção da Mamária Direita. Desinserção da 3 costela. Abertura do pericárdio expondo o coração com pontos de reparo. Canulação da Aorta e atrio direito (cânula exteriorizada pelo 5EICD). CEC em hipotermia. Procedimento principal igual ao grupo controle. Fechamento convencional de toracotomia. Análise de variância para tempos de CEC e isquemia e observação de complicações.
RESULTADO: Todos tiveram alta hospitalar com prótese normofuncionante. Esternotomia: uma infecção de ferida superficial com resolução com antibioticoterapia. Um caso de parestesia de MSE em reoperação. 2EICD: boa exposição da aorta. Incisão estética gerando satisfação dos pacientes. Um caso de hérnia incisional no 14 pós operatório sendo reoperado eletivamente com resolução. Tempos de isquemia do grupo esternotomia e do 2EICD foram respectivamente 65 ± 10 minutos e 89 ± 19 minutos (p=0,001). Tempos de CEC do grupo esternotomia e do 2EICD foram respectivamente 94 ± 21 minutos e 116 ± 25 minutos (p=0,021).
CONCLUSÃO: Acesso pelo 2EICD se mostrou seguro, com incisão menor e mais estética que a esternotomia, sendo a complicação incisional de fácil correção. Os tempos de CEC e isquemia, embora superiores, não levaram a complicações.

 


 

P 40

Análise fluxométrica de enxertos venosos e arteriais e de diferentes tipos de anastomose na cirurgia de revascularização miocárdica

Rodrigo Coelho Segalote; Renata Esteves; Juan Carlos Arias; Bruno Marques:; Braulio Santos; Andrey de Oliveira Monteiro

INTRODUÇÃO: A fluxometria por tempo de trânsito (FMTT) é o método de analise peroperatória da anastomose para a cirurgia de revascularização do miocárdio (CRM), permitindo dessa forma uma revisão imediata do enxerto caso os critérios de patência não sejam atingidos. Alguns estudos questionam a vantagem da anastomose em Y e seqüencial, em relação a anastomose simples.
OBJETIVO: Comparar os diferentes enxertos em relação ao tipo de enxerto empregado e em relação à técnica para a anastomose empregada (simples/Y /sequencial) através do FMTT.
MATERIAL E MÉTODOS: Estudo retrospectivo onde foram agrupados 92 pacientes submetidos à CRM no período de Fevereiro/2012 a Setembro/ 2013 no INC. Três parâmetros da FMTT: Índice de Pulsatilidade (IP), Fluxo Médio e Enchimento Diastólico (ED) foram medidos através do fluxômetro Medi-Stim Butterfly. As técnicas para a confecção das anastomoses foram a simples, em "Y" e em seqüencia. Para análise estatística utilizamos Mann-Whitney; Shapiro-Wilk; e, Kruskal-Wallis.
RESULTADO: Foram analisados 220 enxertos pela FMTT dos quais 108 eram arteriais (99 ATI, 9 radial) e 112 venosos; 191 anastomoses foram simples, 13 em Y e 16 seqüenciais. Tais enxertos obtiveram valores estatísticos de média e desvio padrão dentro da normalidade. O fluxo dos enxertos venosos possuiu um valor superior ao dos enxertos arteriais. O ED foi inversamente proporcional ao fluxo. Em relação à técnica de anastomose empregada não houve diferença estatística entre as três.
CONCLUSÃO: Os diferentes tipos enxertos empregados na CRM no INC estiveram dentro da normalidade quanto a FMTT. Não houve diferença estatística com relação à técnica para confecção da anastomose.

 


 

P 41

Artéria torácica interna esquerda para interventricular anterior: estudo comparativo entre anastomoses simples ou seqüenciais através da medida de fluxo por tempo de trânsito

Rodrigo Milani; Bianca Guareschi; Alessandra Bernardi; Thalissa Favreto; Vinicius Trevizan; Rodrigo Jardim; Thais Lumikoski; Gabriela Miotto; Sergio Oliveira; Victor Hugo Santana; Paulo Brofman

INTRODUÇÃO: A revascularização do miocárdio tem seu resultado a longo prazo dependente do enxerto utilizado. Cada vez mais o uso de apenas enxertos arteriais tem sido empregado e com ele a utilização de anastomoses sequenciais.
OBJETIVO: Comparar através da medida de fluxo por tempo de trânsito e do índice de pulsatilidade, PI, o desempenho da artéria torácica interna esquerda anastomosada de forma simples ou sequencial para o ramo interventricular anterior.
MATERIAL E MÉTODOS: foram avaliados 50 pacientes submetidos a revascularização do miocárdio, divididos em dois grupos: no grupo A os pacientes receberam a artéria torácica interna esquerda de forma convencional para o ramo interventricular anterior, enquanto no grupo B a mesma anastomose foi realizada de forma sequencial com ramo diagonal.
RESULTADO: A média de idade do grupo A foi de 59,8±9,7 anos e no grupo B 60,24±11,7 anos. O peso e altura médios no grupo A foram 77,7±15,7 Kg e 166±8,2 cm e no grupo B 83,4±12,04 Kg e 169,6±7,52 cm. O fluxo médio para o ramo interventricular anterior foi de 34,2±19,1 ml enquanto no grupo B foi de 43,6±23,57 ml para o ramo diagonal e 34,28±15,99 ml para o ramo interventricular anterior. O índice de pulsatilidade médio na anastomose para o ramo interventricular anterior foi de 2,0±0,7 para o grupo A e 2,58±0,65 para o B. Valores de PI abaixo de 5 indicam uma anastomose de boa qualidade.
CONCLUSÃO: Os valores de fluxo e PI obtidos sugerem que a anastomose sequencial não compromete o fluxo para o ramo interventricular anterior.

 


 

P 42

Qual o impacto do Tromboelastograma na reposição de fatores de coagulação no per-operatório de operação de Jatene?

Rômulo Guimarães de Almeida; Leonardo Augusto Miana; Marília Vasconcelos; Bruno Marques:; Alessandra Cosenza; Luiz Carlos Simões; Marcello Gomide; Marcello Fonseca Salgado Filho; Leôncio Feitosa; Andrey José O Monteiro

INTRODUÇÃO: A operação de Jatene (OJ), assim como todas as correções cardíacas cirúrgicas no período neonatal, cursa com risco aumentado de sangramento e necessidade de hemotransfusão no período peri e pós-operatório. O uso do tromboelastograma (TEG) para guiar a reposição de fatores de coagulação no per-operatório têm sido proposto no intuito de otimizar as transfusões.
OBJETIVO: Hipotetizamos que a utilização de (TEG) minimizaria o sangramento e a hemotransfusão no peri e pós-operatório.
MATERIAL E MÉTODOS: Delineamento: Estudo prospectivo observacional. Material: Entre Janeiro de 2010 e Dezembro de 2012, 20 recém-nascidos consecutivos portadores de Transposição das Grandes Artérias foram submetidos à OJ, com fechamento de comunicação interventricular associado (11) ou não (9). O peso médio na cirurgia foi de 3168 + 581 gramas. Nove pacientes foram avaliados no pre-operatório com TEG para guiar a reposição de fatores de coagulação. Método. Os pacientes foram submetidos ao uso do TEG de forma não randomizada, de acordo com a disponibilidade do aparelho e opção do anestesiologista. Os dados intra-operatórios foram colhidos prospectivamente em ficha própria e os dados pós-operatórios através da análise dos prontuários.
RESULTADO: O volume indexado de sangramento em 24 horas nos pacientes em que foi utilizado o TEG foi de 21,2 + 21,3 versus 18,5 + 11,1 ml/kg (p=0,11). A transfusão total de concentrado de hemácias foi de 78,2 + 38,8 versus 73,6 + 23,2 ml/kg (p=0,12). Não houve diferença também na transfusão de crioprecipitado, plaquetas, plasma ou derivados sintéticos.
CONCLUSÃO: Nesta população específica de pacientes, o uso do TEG não impactou no sangramento ou utilização de hemoderivados.

 


 

P 43

Avaliação Da Performance E Divulgação Dos Resultados Agregando Qualidade Na Cirurgia Cardíaca

Denise Louzada Ramos; Viviane A Fernandes; Nilza Sandra lasta; Pedro Gabriel de Melo Barros e Silva; Mariana Yumi Okada; Marco Antônio Mieza; João Galantier; Valter Furlan

INTRODUÇÃO: Um dos grandes desafios da atualidade na gestão hospitalar é em como avaliar a equipe médica e gerando melhorias, a busca por um modelo de avaliação da performance das equipes médicas, deve ser um modelo que preconize o uso de padrões de comparação baseados em evidência, utilizando referência diretrizes ou metas estabelecidas entre gestores e equipe médica.
OBJETIVO: Avaliar a implantação de um sistema de avaliação de desempenho das equipes de cirurgia cardíaca.
MATERIAL E MÉTODOS: Em 2011 elaborou-se uma avaliação de desempenho das equipes cirúrgicas, formatada nos padrões éticos, baseado em diretrizes internacionais que atendesse a necessidades de qualidade da instituição. As avaliações foram dividas em três categorias de indicadores: resultados, processos e adesão a protocolos institucionais, e cada indicador tem um pontuação de (10 a 50) totalizando 460 pontos, de acordo com o grau de complexidade e relevância.
RESULTADO: No primeiro ano obteve 57% do total de pontos na performance e dois anos após a implantação a performance foi de 93% de adesão em todos os itens, com uma melhora de 64%. Como demonstrado na tabela abaixo, estes resultados foram apresentados trimestralmente para equipe de cirurgiões, comparando os resultados do hospital e da equipe cirúrgica, sendo apresentação individual e sigilosa.
CONCLUSÃO: A avaliação do desenpenho das equipes de cirurgia cardíaca, é uma ferramenta na melhoria dos resultados e da assistência prestada, conhecer e divulgar os resultados tem impacto positivo, pois proporciona elaborar estratégias de melhorias com envolvimento da equipe cirúrgica e os gestores da instituição.

CCBY All scientific articles published at bjcvs.org are licensed under a Creative Commons license

Indexes

All rights reserved 2017 / © 2022 Brazilian Society of Cardiovascular Surgery DEVELOPMENT BY