Article

lock Open Access lock Peer-Reviewed

0

Views

ARTIGO ORIGINAL

Análise de 1071 reoperações para revascularização do miocárdio: resultados obtidos e conduta sugerida com base nessa experiência

Luís Alberto DallanI; Sérgio Almeida de OliveiraII; Januário M SouzaIII; Marcelo B JateneI; José Carlos R IgléziasI; Pedro Carlos P LemosI; José Otávio C Auler JúniorI; Geraldo VerginelliI; Fúlvio PileggiI; Adib D JateneI

DOI: 10.1590/S0102-76381992000200001

RESUMO

Entre janeiro de 1979 e janeiro de 1992, foram realizadas 1071 reoperações para revascularização do miocárdio, no Instituto do Coração e em um de seus Serviços afiliados (Hospital da Beneficência Portuguesa - São Paulo). Destas, 1015 consistiam na primeira reoperação, 53 na segunda e 3 na terceira. A reoperaçáo foi motivada por progressão da aterosclerose coronária em 117 (10,9%) casos, oclusão parcial ou total dos enxertos em 183 (17,1%), sua associação em 728 (67,9%), por problemas técnicos em 21 (1,9%) e por outras causas em 22 (2,1 %). A idade dos pacientes variou de 34 a 84 anos (M=61,6), com predomínio do sexo masculino (86,1%) e da raça branca (96,5%). O período entre a primeira e a segunda operação variou do mesmo dia a 22 anos (M=9,3). Entre a segunda e a terceira, esse período variou de 1 a 11 anos (M=8,0) e entre a terceira e a quarta variou de 7 a 9 anos (M=7,7). Na reoperação, utilizou-se enxerto de uma das artérias mamárias em 610 (56,9%) casos, ambas artérias mamárias em 192 (17,9%), artéria gastroepiplóica em 6 (0,6%) e artéria epigástrica em 5 (0,5%). No total, em 813 (75,9%), das 1071 reoperações, empregou-se ao menos um enxerto arterial na revascularização do miocárdio. Foram observados 87 (8,1%) óbitos hospitalares nesse período, dos quais 39 (44,8%) diretamente relacionados à disfunção ventricular e 48 (55,2%) decorrentes de outras complicações: pulmonares (22), sepsis (8), distúrbios da coagulação (7), neurológicas (6), isquemia mesentérica (5). Diversos fatores foram associados à maior mortalidade, dentre os quais destacamos: 1) fatores de risco pré-operatórios (diabetes, hipertensão, hipercolesterolemia, obesidade, tabagismo, familiar etc.): 731 apresentavam até dois fatores de risco, com 35 (4,8%) óbitos; 299 tinham três ou quatro desses fatores de risco, com 38 (12,7%) óbitos e em 4 havia cinco ou mais fatores de risco, com 14 (34,1%) óbitos; 2) classe funcional (CF) pré-operatória: 317 encontravam-se em CF I ou II, dos quais 7 (2,2%) faleceram; 449 em CF III, com 34 (7,6%) óbitos e 305 em CF IV, com 46 (15,1%) óbitos; 3) comprometimento triarterial associado ou não a lesão de tronco: 788 apresentavam tal tipo de comprometimento arterial, dos quais 74 (9,4%) faleceram. Dentre 283 com lesão uni ou biarterial, 13 (4,6%) foram a óbito; 4) caráter de emergência da cirurgia: dentre 110 operações de emergência, foram observados 35 (31,8%) óbitos. Dentre 961 cirurgias eletivas, houve 52 (5,4%) óbitos. Nos últimos dois anos, entretanto, foram realizadas 379 re-revascularizações do miocárdio, tendo sido observados apenas 13 (3,4%) óbitos. Esse decréscimo de mortalidade em relação aos anos anteriores foi atribuído, entre outros fatores, aos métodos de proteção miocárdica empregados, especialmente nos doentes com pior função ventricular. Nesses dois anos foi também dado especial destaque ao emprego de enxertos arteriais na re-revascularizaçáo do miocárdio. A média da utilização de ao menos um enxerto arterial na reoperação coronária elevou para 82,2% (259/315). Acreditamos que, através da abordagem cirúrgica adequada, da utilização crescente de enxertos arteriais e, especialmente, pela indicação cirúrgica precoce, permitindo a re-revascularização de forma eletiva e, ainda, com boa viabilidade miocárdica, os resultados futuros serão mais promissores.

ABSTRACT

Between January 1979 and January 1992, 1071 coronary bypass graft reoperations were performed at the Heart Institute and Beneficencia Portuguesa Hospital. Of these, 1015 were reoperated upon once, 53 twice and 3 three times. The surgeries were due to spread of coronary atherosclerosis in 117 patients (10.9%), partial or total graft occlusion in 183 (17.1%), combination of the prior factors in 728 (67.9%), technical problems in 21 (1.9%), and others in 22 (2.1%). The patients ages varied from 34 to 84 years (mean 61.6), predominantly male (86.1%) and Caucasian (96.5%). The period between the first and second operations varied from the same day to 22 years after (mean 9,3%), the second and third from one to 11 years (mean 8.0) and between the third and fourth seven to nine years (mean 7.7). During the surgical procedures: one mammary artery in 610 (56.9%) cases, both mammary arteries in 192 (17.9%), gastroepiploic arteries in six (0.6%) and epigastric arteries in five (0.5%) were used. In 813 (75.9%) of the 1071 reoperations at least one arterial graft was employed in the coronary bypass grafts. There were 87 (8.1%) hospital deaths in this period, of which 39 (44.8%) were directly related to ventricle dysfunction, and 48 (55.2%) caused by other complications: pulmonary 22, sepsis 8, coagulation 7, neurologic 6 and mesenteric ischemia 5. The principal factors associated to mortality were: I) preoperative risk factors were: diabetes, hypertension, high colesterol, obesity, smoking, hereditary history, etc.; 731 patients presented up to two risk factors with 35 deaths (4.8%); 299 presented three or four with 38 (12.7%) deaths and in 4 patients there were five or more risk factors, with 14 (34.1 %) deaths; 2) preoperative functional class: 317 were in class I or II, 11 (3.5%) of which died; 449 were in class III, 39 (8.7%) having died; and 305 in class IV with 46 (15.1%) deaths. Triarterial vessels compromised associated or not to main trunk lesion: 788 presented this complication, of which 74 (9.4%) died. Among 283 characterized by uni or biarterial lesions, 13 (4.3%) having died; 3) surgery status: 110 emergency operations with 35 deaths (31.8%), 961 elective surgeries 52 (5.4%) having died. In the last two years, however, 379 coronary bypass graft reoperations were performed with only 13 deaths (3.5%). This decreased in mortality in relation to the preceding years was attributed, among other factors, to the improved methods of myocardial protection, especially in patients with worse ventricle condition. It was also emphasized in the last two years the arterial graft usage in the reoperations. Mean usage of at least one arterial graft in the reoperations was 82.2%. It is strongly believed that the best results can be reached through adequate surgical handling, increased employment of the arterial graft and especially avoiding emergency situations by earlier reoperation.
Texto completo disponível apenas em PDF.



Discussão

DR. LUIZ FRAGOMENI
Pelotas, RS

Agradeço a gentileza do convite para participar desta apresentação.

A extensa experiência e o excelente resultado aqui apresentados, num assunto de difícil abordagem, enaltecem a cirurgia cardíaca brasileira, além de auxiliara normatizaçâo do manejo da cardiopatia isquémica. Por isso, parabenizo o Dr. Dallan e sua equipe pelo brilhantismo do trabalho. No comentário específico desta matéria, julgamos importante a identificação dos fatores de risco que possam alterar a evolução natural após a revascularização primária do miocárdio. Apesar desses fatores terem sido apontados pelos autores, a utilização de análise paramétrica multivariável quantificaria a influência e as fases em que cada variável estaria ativa. Nesses fatores, os mais importantes: idade jovem, fumo, sexo, hipertensão, hipercolesterolemia, agressividade do processo esclerótico, baixa fração de ejeção ventricular esquerda, anatomia coronariana, não utilização da artéria mamária esquerda e revascularização incompleta. Observa-se que, nos últimos 2 anos, em 1990 e 1991, o grupo operou um número significativo de pacientes, quando houve importante decréscimo na mortalidade em comparação ao período anterior: 3,49% versus 10,05%. Dentro de vários fatores, certamente o progresso nos métodos de proteção miocárdica foi fator influente. No período inicial, o pinçamento aórtico intermitente foi utilizado em 59,13% dos pacientes, em comparação a 26,99% na segunda fase. Apesar de alguns autores preconizarem sua simplicidade e segurança nos resultados, também são cautelosos em não utilizar esta técnica em reoperações, devido à necessidade de clampeamento aórtico múltiplo. Na aterosclerose aórtica ou na presença de enxertos pérvios, irrigando áreas críticas do miocárdio, o clampeamento parcial da aorta, necessário para anastomoses proximais, certamente incorporará as anastomoses proximais antigas. A manipulação da aorta e do coração que a técnica demanda poderia, também, aumentar o risco de embolização coronariana. Adicionalmente, conforme extensa documentação experimental e clínica, a utilização de técnicas de cardioplegia sangüínea pode reduzir alguma morbidade no miocárdio e o dano isquémico de reperfusão. Buckberg demonstrou que a absorção de oxigênio pelo miocárdio é reduzida em 90% no coração em assistolia e descomprimido. A 28ºC, nessas condições, a MV02 é de 0,5 ml/100 gr/min e em fibrilação ventricular e na mesma temperatura a MV02 aumenta para 13 ml/100gr/min. O efeito destrutivo de uma inadequada proteção miocárdica pode não se tornar aparente por vários meses ou anos, quando a fibrose miocárdica poderá refletir as cicatrizes de uma proteção ineficiente. Eu gostaria, ainda, de fazer duas perguntas: 1-) Quantos pacientes foram inicialmente endoarterectomizados e qual o comportamento desse grupo? 2-) Qual tem sido a evolução dos enxertos sequencias com veias e artérias mamárias? Muito obrigado.

DR. RÉGIS JUCÁ
Fortaleza, CE

Queria cumprimentar o Dr. Dallan e seus colegas do InCór e da Beneficência Portuguesa, pela apresentação deste trabalho tão interessante. A primeira pergunta que eu gostaria de fazer é: Qual a diferença técnica em pacientes que têm mamária na 1ª operação, ou que têm só safena na 1ª operação? A 2ª pergunta é: Dr. Dallan, esclareça mais a progressão da doença na artéria nativa e no enxerto. Finalmente: Qual o método que o Dr. Dallan usa para diminuir o sangramento pós-operatório, dado que, em todas as estatísticas, o sangramento é maior na reoperação? Nos últimos 3 anos, nós reoperamos 31 pacientes, sem mortalidade. De vez que não contamos com a aprotimina, temos usado sangue fresco (2 unidades), plaquetas e crioprecipitados, o que tende a reverter a maior tendência de sangramento. Queria saber do Dr. Dallan que métodos ele usa visando diminuir o sangramento das reoperações. Parabéns, mais uma vez, por este trabalho excelente.

DR. DALLAN
(Encerramento)

Nossos agradecimentos ao Dr. Luiz Fragomeni pela observação criteriosa dos itens referentes ao nosso trabalho, o que muito nos honra, dada a sua extensa experiência adquirida em Centros internacionais, especialmente em Londres e Minesotta. O Dr. Fragomeni sugeriu a interpretação de nossos resultados em estudo paramétrico multivariado. Recentemente, desenvolvemos essa análise especializada e, nesse sentido, estamos completando um amplo levantamento pertinente às reoperações nas revascularizações do miocárdio, cujos resultados serão brevemente divulgados. Em relação à realização de endarterectomias nas revascularizações primárias do miocárdio, a nossa impressão é de que esse tipo de procedimento é particularmente desfavorável à reoperação. Como mais de 80% dos pacientes por nós reoperados foram provenientes de outros serviços, na maioria dos casos não havia a informação exata de detalhes do procedimento primário. O reestudo cinecoronariográfico isolado foi insuficiente para identificar procedimentos tipo endarterectomia na reoperação primitiva, especialmente porque em grande número essas artérias já se encontravam completamente obstruídas. Mas, de qualquer maneira, a re-revascularização de uma artéria já submetida a endarterectomia é bastante difícil. A artéria perde sua anatomia própria e especialmente sua estrutura, o que praticamente inviabiliza sua nova abordagem. Da mesma maneira, Dr. Fragomeni, não temos dados exatos sobre o número de pacientes externos em que foi realizada ponte seqüencial na revascularização primitiva do miocárdio. Nesses casos, entretanto, ao contrário da endarterectomia, foi possível, pela cinecoronariografia, detectarem-se as artérias que receberam pontes seqüenciais. A imprenssão que nos ficou, ao analisarmos os 1071 pacientes reoperados, é de que a perviabilidade do enxerto sequenciai foi semelhante à do enxerto isolado. A nova revascularização dessas artérias que receberam ponte seqüencial é plenamente factível, sem que existam grandes problemas adicionais, ao contrário da endarterectomia. Apenas observamos uma dificuldade adicional para identificálas, especialmente quando há grande aderência pleuro-pericárdica. Como uma das maneiras tradicionais para se localizar a artéria coronária já revascularizada é seguir o trajeto da ponte antiga, na presença de ponte seqüencial esse artifício fica prejudicado, o que não impede, entretanto, uma nova revascularização da artéria em questão. Prof. Régis Jucá: gostaria, também, de agradecer seus comentários elogiosos. Os cuidados de exposição do coração na presença de artéria mamária funcionante diferem, substancialmente, em relação aos enxertos venosos pregressos. Nosso grande temor durante a dissecção da artéria mamária é sua secção inadvertida. Por isso, ainda antes da esternotomia, procuramos avaliar o provável trajeto da artéria mamária e, conseqüentemente, sua distância da tábua posterior do esterno, o que é faciltado pela freqüente presença de clips radiopacos. Mais recentemente, temos posicionado a artéria mamária esquerda através de um orifício no pericárdio, o que previne seu estiramento durante a expansibilidade pulmonar e facilita extremamente as reoperações, uma vez que ela fica posicionada lateralmente (e não anteriormente) ao mediastino. Durante a reoperação, a artéria mamária pregressa poderá ser identificada e cadarçada, o que permite seu pinçamento durante a cardioplegia. Outra técnica alternativa é não dissecá-la ou tocá-la, prevenindo sua eventual lesão. A desvantagem dessa tática é seu fluxo contínuo, mesmo após o pinçamento aórtico, o que pode atrapalhar as demais anastomoses, dada a presença de circulação colateral. Essa situação poderá ser parcialmente contornada com maior resfriamento do paciente e diminuição do fluxo sistêmico. Os cuidados com os enxertos venosos pregressos têm mudado o resultado das reoperações. Evitando-se a manipulação dos mesmos (especialmente os pérvios e degenerados), até que se oclua a aorta e os desconectem das artérias coronárias, tem-se obtido uma queda acentuada no infarto trans-operatório, conseqüentemente, na morbidade da intervenção cirúrgica. O Prof. Régis Jucá também nos perguntou da influência da evolução da doença aterosclerótica desses pacientes sobre a reoperação coronária. Nós observamos que a evolução isolada da doença das artérias coronárias foi responsável por cerca de 10% de nossas reoperações. Por outro lado, atribuímos ao comportamento isolado dos enxertos arteriais 17% das reoperações. O maior motivo de reoperação, em nossa casuística, decorreu da associação desses dois fatores, que, juntos, somaram cerca de 70% das causas que levaram à nova revascularização do miocárdio. O Prof. Régis Jucá comentou o problema referente ao maior sangramento observado nas reoperações e que, na ausência de drogas como a aprotinina, tem contornado essas situações com o uso de sangue fresco, plaquetas e crioprecipitados. Em resposta, devemos considerar que o sangramento constitui motivo de preocupação em qualquer tipo de reoperação. Acreditamos que esse problema seja ainda mais presente em pacientes valvares, nas quais há necessidade de se abrirem cavidades cardíacas para o adequado procedimento. Habitualmente, esse pacientes apresentam estase hepática crônica, normalmente associada a distúrbios de coagulação, o que acarreta ainda maiores problemas durante a hemostasia. O que procuramos fazer nas reoperações é uma abordagem cirúrgica cautelosa. Infelizmente, a premência do tempo não nos permitiu entrar em maiores detalhes durante nossa apresentação, mas, como aspectos técnicos fundamentais, sempre empregamos na esternotomia a serra circular e evitamos a introdução precoce do afastador torácico ortostático. O afastamento das bordas do esterno, antes de se desfazer suas aderências aos tecidos adjacentes, pode levar ao esgarçamento da face anterior do ventrículo direito, ou de outras estruturas, especialmente o átrio direito. O que seria um pequeno problema pode assumir proporções catastróficas, caso o cirurgião insista em expor o coração e estancar diretamente o sangramento. O que costumamos fazer, diante desse fato, é interromper a dissecção, comprimir o local e entrar em perfusão através de artéria e veia femorais, o que permite esfriar devidamente o paciente e retomar a dissecção cardíaca com o coração descomprimido e com possibilidade de repor o sangue perdido. O emprego rotineiro de cell-saver nas reoperações também tem permitido recuperar adequadamente as hemácias desses pacientes, perdidas nessas condições. Quanto à aprotinina, já iniciamos estudo prospectivo e randomizado com a droga, visando avaliar sua atuação na redução do sangramento cirúrgico, e acreditamos que, em futuro bastante próximo, poderemos trazer contribuições a respeito do assunto. Gostaria de encerrar reiterando nossos agradecimentos à comissão organizadora do Congresso, por mais esta oportunidade de participação.

REFERÊNCIAS

1. ASSAD-MORELL, J. L.; CONNOLY, D. C.; GAU, G. T.; WALLACE, R. B.; DAVIS, G. D.; EVELBACK, L. R.; DANIELSON, G. K. - Relation of intraoperative or early postoperative transmural myocardial infarction to patency of aortocoronary bypass grafts and to diseased ungrafted coronary arteries. Am. J. Cardiol., 35:767-773, 1975. [MedLine]

2. BROOKS, N.; HONEY, M.; CATTELL, M.; WRIGHT, J. E. C.; STURRIDGE, M. F.; BALCON, R.; LAYTON, C. - Reoperation for current angina. Br. Heart J., 42:333-338, 1979. [MedLine]

3. CHAITMAN, B. R.; ROGERS, W. J.; DAVIS, K. - Operative risk factors in patients with left main coronary artery disease. N. Engl. J. Med., 303:953-957, 1980. [MedLine]

4. CHESEBRO, J. H.; CLEMENTS, I. P.; FUSTER, V.; EVELBACK, L. R.; SMITH, H. C.; BARDSLEY, W. T.; FRYE, R. L.; HOLMES Jr., D. R.; VLIESTRA, R.E.; PLUTH, J. R.; WALLACE, R. B.; PUGA, F. J.; ORSZULLAK, T. A.; PIEHLER, J. M.; SCHAFF, H. V.; DANIELSON, G. K. - A platelet-inhibitor-drug trial in coronary-artery bypass operations: benefit of perioperative dupyridamole and aspirin therapy on early postoperative vein-graft patency. N. Engl. J. Med.; 307:73-78, 1982. [MedLine]

5. COSGROVE, D. M.; LOOP, F. D.; LYTLE, B. W. - An 11-year evolution of coronary arterial surgery (1967-1978). Ann. Surg., 190:444-455, 1979. [MedLine]

6. COSGROVE, D. M.; LOOP, F. D.; LYTLE, B. W. - Predictors of reoperation after myocardial revascularization. J. Thorac. Cardiovasc. Surg., 92:811-821, 1986. [MedLine]

7. DOBELL, A. R. C. & JAIN, A. K. - Catastrophic hemmorrhage during redo sternotomy. Ann. Thorac. Surg., 37:273-280, 1984.

8. FABIANI, J. N.; DLOCHE, A.; SWANSON, J.; CARPENTIER, A. - Retrograde cardioplegia through the right atrium. Ann. Thorac, Surg., 41:101-102, 1986.

9. FOSTER, E. D.; FISHER, L. D.; KAISER, G. C.; MYERS, W. O. - Comparison of operative mortality and morbidity for initial and repeat coronary artery bypass grafting: the Coronary Artery Surgery Study-CASS registry experience. Ann. Thorac. Surg., 38:563-570, 1984. [MedLine]

10. GERSH, B. J. & KRONMAL, R, A, - Coronary arteriography and coronary artery bypass surgery. Morbidity and mortality in patients age 65 years or older: a report from the Coronary Artery Study. Circulation, 67:483-490, 1983.

11. GRONDIN, C. M.; POLMAR, J. L.; HEBERT, Y. - Reoperation in patients with patent atherosclerotic coronary vein grafts: a different approach to a different disease. J. Thorac. Cardiovasc. Surg., 87:379-385, 1984. [MedLine]

12. HOFFMANN, R. G.; BLUMLEIN, S. L.; ANDERSON, A. J.; BARBORIAK, J. J.; WALKER, J. A.; RIMM, A. A. - The probability of surviving coronary artery bypass surgery: five years results. JAMA, 243:1341-1344, 1980. [MedLine]

13. JONS, E. L.; CRANER, J. M.; KING III, S. B. - clinical anatomic and functional descriptors influencing morbidity, survival and adequacy of revascularization following coronary bypass. Ann. Surg., 192:390-402, 1980. [MedLine]

14. KENNEDY, J. W.; KAISER, G. C.; FISCHER, L. D. - Clinical angiographic predictors of operative mortality from the Collaborative Study in Coronary Artery Surgery. Circulation, 63:793-802, 1981. [MedLine]

15. KEON, W. J.; HEGGTVEIT, H. A.; LEDEC, J. - Perioperative myocardial infarction caused by atheroembolism. J. Thorac. Cardiovasc. Surg., 84:849-855, 1982. [MedLine]

16. KOSHAL, A.; KEON, W.; BEDARD, P.; BRAIS, M. - Indications for and results of, reoperation for coronary disease. Can. J. Surg., 23:173-177, 1980. [MedLine]

17. LOOP, F. D. - Catastrophic hemorrhage during sternal reentry. Ann. Thorac. Surg., 37:271, 1984. (Editorial). [MedLine]

18. LOOP, F. D.; LYTLE, B. W.; COSGROVE, D. M. - Influence of the internal mammary-artery graft on 10-year survival and other cardiac events. N. Engl. J. Med., 324:1-6, 1986.

19. LYTLE, B. W.; LOOP, F. D.; COSGROVE, D. M.; TAYLOR, P. C.; GOORMASTIC, M.; PEPER, W.; GILL, C. C.; GOLDING, L. A.; STEWART, R. W. - Fifty - hundred coronary reoperations: results and determinants of early and late survival. J. Thorac. Cardiovasc. Surg., 93:847-859, 1987. [MedLine]

20. MARSCHALL Jr., W. G.; SAFFITZ, J.; KOUCHOUKOS, N. T. - Management during reoperation of aortocoronary saphenous vein grafts with minimal atherosclerosis by angiography. Ann. Thorac, Surg., 42:163-167, 1986.

21. NORWOOD, W. I.; COHN, L. H.; COLLINS Jr., J. J. - Results of reoperation for recurrent angina pectoris. Ann. Thorac. Surg., 23:9-13, 1977. [MedLine]

22. OKIES, J. E.; PAGE, U. S.; BIGELOW, J. C. KRAUSE, A. H.; SALOMON, N. W. - Coronary artery surgery: the left internal mammary artery, the graft of choise. Circulation, 70:1213-1221, 1984.

23. OWEN, Jr. E. W.; SCHOETTLE Jr., G. P.; MAROTTI, A. S.; HARRINGTON, O. B. - Tne third time coronary artery bypass graft: Is the risk justified? J. Thorac. Cardiovasc. Surg., 100:31-35, 1990.

24. QUAZI, A.; GARCIA, J. A. M.; MISPIRETA, L. A.; CORSO, P. J. - Reoperation for coronary artery disease. Ann. Thorac. Surg., 32:16-22, 1981.

25. REUL, Jr., G. L.; COOLEY, D. A.; OTT, D. A.; COELHO, A.; CHAPA, L.; ETEROVIC, I. - Reoperation for recurrent coronary artery disease: causes, indications, and results in 168 patients. Arch. Surg., 144:1269-1275, 1979.

26. SALOMON, N. W.; PAGE, U. S.; BIGELOW, J. C.; KRAUSE, A. H.; OKIES, J. E.; METZDORFF, M. T. - Reoperative coronary surgery: comparative analysis of 6591 patients undergoing primary bypass and 508 patients undergoing reoperative coronary artery bypass. J. Thorac. Cardiovasc. Surg., 100:250-260, 1990.

27. SCHAFF, H. V.; ORZULAK, T. A.; GERSH, B. J.; PIEHLER, J. M.; PUGA, F. J.; DANIELSON, G. K.; PLUTH, J. R. - The morbidity ando mortality of reoperation for coronary artery disease and analysis of late results with use of acturial estimate of eventfree interval. J. Thorac. Cardiovasc. Surg., 85:508-515, 1983. [MedLine]

28. TEMECK, B. K.; KATZ, N. M.; WALLACE, R. B. - An approach to reoperative median sternotomy. J. Cardiac. Surg., 5:14-25, 1990.

29. WALTS, A. E.; FISHBEIN, M. C.; SUSTAITA, H.; MATLOFF, J. M. - Ruptured atheromatous plaques in saphenous vein coronary artery bypass grafts: a mechanism of acute, thrombotic late graft occlusion. Circulation, 65:197-201, 1982. [MedLine]

30. WEISEL, R. D.; HOY, F. B. Y.; BAIRD, R. J. - A comparison of alternative cardioplegic techniques. J. Thorac. Cardiovasc. Surg., 86:97-107, 1983. [MedLine]

CCBY All scientific articles published at bjcvs.org are licensed under a Creative Commons license

Indexes

All rights reserved 2017 / © 2020 Brazilian Society of Cardiovascular Surgery DEVELOPMENT BY